PARNAMIRIM: INVESTIGAÇÃO DEFICIENTE FAVORECE CRIMINOSOS

Com aparato policial defasado numérica e tecnologicamente, delegacias sem estrutura para investigar e ocorrências aumentando a cada ano, o poder público está perdendo a luta contra o crime em Parnamirim. E sem investimentos, não há perspectiva de mudança pelo menos no curto prazo. Em síntese, foi esta a conclusão a que chegaram os participantes da audiência pública realizada ontem na Câmara Municipal, convocada para discutir questões ligadas à segurança pública da cidade, que é a terceira mais importante do Rio Grande do Norte.

O município vem enfrentando altos índices de criminalidade em função do tráfico de drogas e do crescimento econômico e populacional acelerado. A audiência foi aberta no final da manhã, mesma hora em que era sepultada, em Nova Esperança (antiga Pirangi de Dentro), a menina Samara Pereira de Lima, de 11 anos, morta a pauladas e o corpo jogado num terreno baldio nas proximidades do Loteamento Novo Horizonte. Durante a audiência, um dos participantes deu a dimensão do problema: “em Parnamirim quem ainda não foi alvo da violência, pelo menos, conhece alguém que já viveu o drama de ser agredido, ameaçado ou assaltado.”

Entre as vítimas da violência estão o prefeito Maurício Marques, que ficou sob a mira do revólver de assaltantes que invadiram sua residência, anos atrás, para levar o carro de uma das filhas; o atual subcomandante do 3º Batalhão de Polícia Militar, Joe Weider, que teve o carro roubado; e o vereador Valério Santiago, decano da Câmara Municipal, cuja residência foi invadida no final de março e a família feita refém na hora do almoço por bandidos em busca de dinheiro e jóias.

“A situação está caótica. Parnamirim tem um índice altíssimo de criminalidade. A permanecer assim, amanhã não poderemos mais sair de casa”, disse o delegado Ronaldo Gomes, titular da 1ª DP e que já atuou na cidade em outras ocasiões. Ronaldo apresentou os dados do primeiro quadrimestre do ano na delegacia que dirige. Foram 2.842 boletins de ocorrência, dos quais 150 se transformaram em inquérito para ser conduzido por apenas um delegado.

Dados de um estudo realizado pelo próprio governo mostram que em 2011, a outra delegacia de Parnamirim, a 2ª DP, registrou 2.295 ocorrências, das quais 1.392 foram levadas pela população, mas somente 80 viraram inquérito policial. A baixa “produtividade” foi vista com preocupação pela promotora dos direitos da infância e da juventude, Isabelita Garcia. “Oitenta inquéritos são muito pouco em um ano e mostram a discrepância entre o que é notificado e o que é apurado”, criticou. A promotora defendeu a instalação de uma delegacia específica para tratar das infrações cometidas por menores de idade, a exemplo do que já existe em outras cidades, como Caicó.

O presidente da Câmara Municipal, Rosano Taveira, que é coronel da polícia e conhece com ninguém as questões relacionadas à segurança pública, lamentou que nenhum governo, seja ele municipal, estadual ou federal coloque a segurança entre as prioridades. “O orçamento da Segurança do Rio Grande do Norte para 2013, segundo disse o secretário, é de apenas R$ 7 milhões. Como combater o crime, estruturar as delegacias e capacitar os policiais de todo o Estado com este recurso?”, indagou. Taveira sugeriu a criação de um porcentual de investimento em segurança pública, nos moldes do que já existe hoje com a Educação e a Saúde.
TRINUNA DO NORTE

Um comentário:

  1. ESSE PROBLEMA DE INSEGURANÇA EM PARNAMIRIM, NUNCA VAI SER RESOLVIDO, E UM JOGANDO PRO OUTRO, PQ QUANDO EU ENTRO DE SERVIÇO ASSUMO OITO BAIRROS, SO UMA VTR SANDERO UMA PRECARIEDADE SEM TAMANHA, ESSA SEMANA EU PEDI APOIO, DAQUI QUE A OUTRA VTR CHEGA-SE DUROU ALGUNS MINUTOS, PQ O GRANDE APARATO SE ENC0ONTAM EM NATAL, E A AREA METROPOLITANA E AQUELE ESQUECIMENTO, AGENTE FAZ O QUE PODE E O QUE NAO PODE PARA VER SE MINIMIZA A VIOLENCIA, MAIS TOU VENDO QUE ESTAMOS PERDENDO FEIO PARA A VIOLENCIA, E DO JEITO QUE TA VAI PIORAR, PQ QUATRO VTRs PARA UMA POPULAÇAO COMO PARNAMIRIM QUE CRESCE TODO DIA.

    ResponderExcluir