SECRETÁRIO DE SEGURANÇA AFIRMA QUE POLICIAIS ESTÃO ENVOLVIDOS EM GRUPOS DE EXTERMÍNIO DO ESTADO

O secretário de Segurança Pública do Estado, Aldair da Rocha, admitiu a existência de grupos de extermínio atuando na Grande Natal e que há a participação de policiais civis e militares nessas organizações criminosas. De acordo com o secretário, o número crescente de homicídios, bem como o “modus operandi” dos assassinos apontam para essa realidade. “Temos informações que asseguram que há a participação de agentes de segurança pública atuando nesses grupos”, afirmou. O assunto é tratado com cautela pelo secretário. Não foram divulgados nomes, nem de que forma os grupos estão atuando na capital do Estado. Aldair da Rocha limitou-se a informar que o setor de investigação e inteligência da secretaria de Estado da Segurança Pública e da Defesa Social (Sesed) está trabalhando no sentido de coibir a ação dos bandidos. “Existe uma organização, mesmo que seja primária, responsável pelo aumento de homicídios. As informações ainda são sigilosas e estamos trabalhando para resolver essa questão”, colocou. A possibilidade da atuação de grupos de extermínio na Região Metropolitana de Natal (RMN) é investigada e denunciada por outras instituições. Porém, essa a primeira vez que o secretário de Segurança fala abertamente sobre o assunto. O Ministério Público Estadual (MPE), por exemplo, investiga a existência de um grupo de extermínio atuando na execução de jovens e adolescentes que tinham cometido atos infracionais. Um grupo de promotores de Investigação Criminal tenta elucidar as ocorrências de homicídios desta espécie na RMN. A Polícia Civil também atua no caso. O Conselho Estadual de Defesa dos Direitos Humanos (COEDHUCI) também acredita na atuação de grupos de extermínio com a participação de policiais militares. Para o presidente do COEDHUCI, Marcos Dionísio, é preciso uma investigação mais aprofundada coordenada pela Polícia Civil para afirmar com mais precisão. “Mas do ponto de vista da experiência acumulada em todo o Brasil, podemos especular que sim. Mesmo que seja envolto nessa guerra civil do tráfico de drogas, tem a presença de maus policias. Seja protegendo o homicida ou fornecendo armas, ou protegendo um grupo em detrimento de outro. Talvez exista essa cortina de fumaça mascarando e escondendo esses crimes”, analisou em entrevista publicada recentemente na TRIBUNA DO NORTE.

Como estão as conversas com a governadora a respeito da Divisão de Homicídios?
Há quinze dias tivemos uma conversa inicial. Hoje [ontem] voltamos ao assunto. Nos próximos dias acredito que teremos uma resposta definitiva. Ela já disse sim. Agora são os detalhes. Vamos iniciar o processo de identificação de um prédio, material e equipamentos. Pretendemos, no prazo de 120 a 150 dias, está com a divisão funcionando.

Há detalhes sobre esse projeto? Quantos delegados?
Não tenho esses detalhes. Sei que será necessário cerca de 70 servidores, entre delegados, agentes e escrivães. O delegado geral da Polícia Civil está analisando esses detalhes, procurando um prédio que seja bem localizado. A divisão vai funcionar 24 horas por dia. É preciso uma boa estrutura. Não sei ainda a questão de valores. Pode ser que seja um prédio próprio para economizar. Nossa ideia é também colocar os peritos do Itep e pessoal da inteligência junto à divisão.

Será necessário convocar pessoal?
Com certeza. Precisamos providenciar o chamamento. Uma nova convocação. Os novatos seriam para a divisão e outros para ocupar vagas abertas por aqueles que forem remanejados de outras delegacias para a divisão.

Esse anúncio que o senhor faz ocorre num período de registro de muitos homicídios. A elevação dos números foi fator decisivo para se colocar a Divisão de Homicídios em discussão novamente?
Não. Na verdade isso foi uma promessa de campanha da governadora. Não é questão de momento, é a necessidade. Desde 2010 que o Governo já sentia a necessidade da implantação dessa divisão em Natal. Para você ter uma ideia, mandamos fazer um levantamento na delegacia especializada em Mossoró que foi instalada ano passado. Lá, tivemos um resultado muito bom. Cerca de 50% dos homicídios que foram cometidos após a instalação da delegacia já foram identificados os autores dos crimes e muitos foram presos. Saímos do patamar de 5% ou 10% que sempre trabalhamos para 50%. A atuação rápida da polícia sempre ajuda na solução.

O número de homicídios cresce absurdamente no Estado. Nos últimos dez anos, a taxa de crescimento foi de 175%. Este ano também está sendo problemático. Por que ocorrem tantas mortes violentas?
Olhe, os números que temos mostra que 70% desses crimes tem envolvimento com drogas. A resolução dos conflitos entre traficantes e usuários de drogas é o grande “x” da questão.

O senhor acredita na existência de grupos de extermínio atuando em Natal?
Acredito. Pelo volume de homicídios a gente imagina que deva ter uma organização, mesmo que primária, existe. Isso [os homicídios] não está acontecendo de forma avulsa. Estamos fazendo um trabalho em cima disso. As informações não podem ser passadas porque é um assunto sigiloso. Não podemos falar muito sobre isso.

O senhor acredita que há a participação de policiais nesses grupos de extermínio?
Acredito. Geralmente, e isso não é só no RN, quando há crimes em sequência, verificamos que agentes públicos estão envolvidos. Lógico que não vou citar nomes, mas a probabilidade é muito grande de que grupos de policiais civis, militares, agentes penitenciários, enfim, todos aqueles que trabalham ou deveriam trabalhar prestando serviço de segurança pública, agem de forma clandestina e praticam esses crimes.

Mas isso é apenas uma suspeita ou há fatos concretos que indicam as participações de policiais nesses grupos?
As informações estão em sigilo, mas temos notícias e informações que asseguram isso.

Ações como a “Metrópole Segura”, da PM, serão repetidas?
Isso é um assunto importante. Temos um determinado efetivo. Quando precisamos duplicar, precisa de recursos. Estamos estudando junto com a governadora e o Planejamento a possibilidade de repetir essas ações. Precisa de verba.
TRIBUNA DO NORTE

3 comentários:

  1. A PREOCUPAÇÃO DO SENHOR SECRETÁRIO DEVERIA SER COM A POPULAÇÃO QUE ESTÁ A MERCÊ DE BANDIDOS ISSO SIM, E NÃO COM QUEM MATA BANDIDO. ORA EU NÃO SOU HIPÓCRITA E PARA MIM É MENOS UM. BANDIDO QUANDO COLOCA ARMA NA CABEÇA DE PAIS DE FAMÍLIA ATERRORIZA E BARBARIZA SEM DÓ E NEM PIEDADE PORQUE EU VOU TER PENA E ME PREOCUPAR COM ISSO? ORA É SIMPLES! BASTA A SENHORA GESTORA DO NOSSO ESTADO INVESTIR MAIS NA SEGURANÇA E NÃO FICAR GASTANDO RIOS DE DINHEIRO COM PROPAGANDAS MENTIROSAS. O HOSPITAL CLÓVIS SARINHO QUE O DIGA, TODOS OS DIAS SAI REPORTAGEM EM REDE NACIONAL FALANDO DO DESCASO NA SAÚDE. AI FICA ESSE POVO QUE NADA FAZ NA SEGURANÇA DO NOSSO ESTADO FALANDO BESTEIRA, JUÍZES SOLTANDO ESSES “ABORRECENTES INFRATORES BANDIDOS” PARA CASAR E BATIZAR COM A POPULAÇÃO. DEVERIA COBRAR DA GESTORA ISSO SIM MAIS QUALIDADE DE TRABALHO PARA OS AGENTES DA POLÍCIA CIVIL, A MAIORIA SÓ SERVE PARA SER BABÁ DE PRESO, BASES COMUNITÁRIAS PELA MISERICÓRDIA SEM CONDIÇÕES DE TRABALHO. ISSO SIM É PREOCUPANTE. FAZER ESSAS OPERAÇÕES INTITULADA DE; METRÓPOLE SEGURA É SÓ PARA DÁ SATISFAÇÃO A IMPRENSA, CONTINUA A MESMA COISA SE FOSSE TODOS OS DIAS, MAS É SÓ UNS DOIS DIAS, E PRONTO, FICA TUDO COMO ANTES E NEM É CULPA DO POLICIAL E SIM DE QUEM COMANDA E ESTÃO NO PODER. ORA SECRETÁRIO DE SEGURANÇA, COMANDO DA PM, DEPUTADO, JUÍZ, PROMOTOR, DESEMBARGADOR, GOVERNO DO ESTADO, TODOS TEM E ANDAM COM SEGURANÇAS, VÃO SE PREOCUPAR COMIGO? COM VC QUE ESTÁ LENDO ESTE COMENTÁRIO? DUVIDO!! ENQUANTO ISSO POLICIAIS SENDO RETIRADOS DE SUAS CASAS POR BANDIDOS BEM ARMADOS E SENDO EXECUTADOS., E SECRETÁRIO SE PREOCUPANDO COM GRUPO DE EXTERMÍNIO. E AGORA? FICA MINHA PERGUNTA QUEM MATOU O POLICIAL AGNELO? E O SOLDADO SENA? CABO MATIAS? E TANTOS OUTROS??????? ESTÃO PREOCUPADOS EM SABER QUEM MATOU ESTES PMS? ALGUM DIREITOS HUMANOS? COMANDO DA PM? JUIZ? MP? SECRETÁRIO DA SESED? GOVERNO DO ESTADO? QUEREMOS A RESPOSTA. VOU FICAR FELIZ QUANDO SAIR NA IMPRENSA “POLÍCIA PRENDEU QUEM MATOU POLICIAL FULANO DE TAL”. DUVIDOOOOOOOOOOOOOOOOOOOO.

    ResponderExcluir
  2. MORREU MAIS UM POLICIAL MILITAR O SD IMPERIAL E AGORA SENHOR SECRETÁRIO O SENHOR ESTÁ PREOCUPADO EM SABER QUEM O MATOU? ALGUM JUIZ? MP? DIREITOS HUMANOS? DUVIDO MUITO QUE ESTEJAM.. MAS EM DÁ IBOPE PRA IMPRENSA COM CERTEZA ESTÁ E MUITO... QUEREMOS RESPOSTA PARA ESSAS MORTES DE POLICIAIS. A POPULAÇÃO ESTÁ PREOCUPADA COM ESSE ÍNDICE DE VIOLÊNCIA NÃO SÓ CONTRA POLICIAIS, MAS, COM TODA A POPULAÇÃO; VIOLÊNCIA ESTA QUE ASSOLA NATAL E REGIÕES, ENQUANTO ISSO ESSE GOVERNO ESTÁ INERTE, OMISSO E DE BRAÇOS CRUZADOS SEM TOMAR UMA ATITUDE E NÓS FICAMOS A MERCÊ DE BANDIDOS E NADA SE FAZ. VAMOS PARAR DE BLÁ.. BLÁ.. BLÁ..E TRABALHAR MAIS E COBRAR MELHORIAS PARA TODO EFETIVO DAS DUAS POLÍCIAS, NÃO ADIANTA TER CARROS NOVOS, COLETES, ARMAS SE FALTA DESDE UM SIMPLES PAPEL PARA SE REGISTRAR UM BO.

    ResponderExcluir
  3. Sempre que a violência aumenta, esses gestores incompetentes tem de arrumar uma forma para justificar a falta de uma estrutura na gestão da segurança pública! Com isso surge sempre a desculpa que existe grupos de extermínios de policiais para tentar resolver um problema que seria e sempre será deles que estão no poder! Pra eles o mais fácil é manipular a sociedade fazendo-os acreditar através das várias formas de mídia que realmente existem pessoas dispostas a fazer justiça com as próprias mãos! Me poupem, hoje só se faz as coisas por interesse financeiro e quem estaria interessado em financiar um grupo de extermínio? só se fosse os próprios governantes pra no final de cada semestre apresentar um relatório mostrando as maravilhas de uma possível redução do índice de criminalidade! E se tratando da morte de policiais aqui no estado, podemos analisar que com certeza existe um grupo de extermínio de bandidos querendo exterminar agentes de segurança, empresários, turistas e ninguem faz nada pra corrigir isso! Talvez quando começarem a matar políticos eles sentirao na pele! MINHA GENTE ACORDA PRA VIDA, TEMOS QUE ANALISAR AS COISAS COM OUTROS OLHOS!

    ResponderExcluir