SINPOL, AGENTES E ESCRIVÃES REPUDIAM PORTARIA DO MINISTÉRIO PÚBLICO

O SINPOL/RN e os agentes e escrivães de Polícia Civil do Rio Grande do Norte repudiam uma Portaria expedida nesta quarta-feira (12) pelo Ministério Público, através do promotor de Justiça Wendell Beethoven Ribeiro Agra. A entidade e categoria consideram que o procedimento preparatório instaurado se constitui em uma séria ameaça ao processo de evolução da Polícia Civil no estado, para não dizer um passo no caminho inverso: do temido retrocesso e que estranha que tenha partido justamente do MP.

O SINPOL repudia essa portaria por entender que o MP, enquanto fiscal da lei, e tendo essa importante prerrogativa quanto à atuação da justiça e das policias, pode e deve exigir, sim, do governo do estado investimentos necessários para que a polícia civil atue de maneira eficaz. Isso pode acontecer através de medidas que cobrem a convocação de suplentes do concurso de 2009, para que façam curso de formação, e até mesmo abrindo novos processos seletivos, visto que menos de 25% dos cargos previstos pela lei 417/10 estão ocupados, restando ainda cerca de 4 mil vagas em aberto. 

“Para nós da Polícia Civil essa medida visa tão somente ´tapar o sol com a peneira´ tirando a PM do trabalho ostensivo nas ruas. Somos citados na Portaria por termos enviado Ofício denunciando fechamento de delegacias por falta de efetivo, mas queremos deixar claro que não concordamos com esta portaria, que consideramos inadmissível, e lutaremos contra a efetivação deste termo de ajustamento de conduta”, destaca o presidente do SINPOL, Djair Oliveira.

Para Renata Pimenta, vice-presidente do Sinpol, mesmo sendo paliativa, a portaria do MP vai prejudicar a Polícia Civil. "A categoria não vai aceitar isso. Se essa ideia for levada a frente é possível inclusive um movimento de greve. O que tem que ser feito é reforçar o efetivo, chamar os aprovados que estão prontos para assumir. E não dá subsídio para p Governo do Estado não investir e continuar fazendo o errado", disse Renata Pimenta.

O SINPOL reforça ainda que é contra o retorno de PMs para as delegacias, uma luta já conquistada em 2005, quando conseguiram que sargentos da PM que faziam trabalho de delegados no interior, remetendo, inclusive, inquéritos a justiça e fazendo lavraturas de flagrantes e TCOs, fossem afastados desses cargos.
DN ONLINE E TRIBUNA DO NORTE

6 comentários:

  1. a populaçao do interior e que nao pode ser prejudicada tem muitos pms capacitados para qualquer dp do interior acabou se aquele tempos atras de pms analfabetos, agora a coisa mudou tem muitos pms dos batalhoes formados ,se formandos em qualquer area inclusive direito, a populaçao e que nao pode pagar pela briga entre dois orgaos do governo,se nao ha condiçoes se trabalha com o que tem, ta certo o promotor

    ResponderExcluir
  2. Acho que deve se estruturar as policias nao so a civil como a militar tb, aumentar o efetivo de ambas que estão precisando, os boletins e tco devem ser feito por ambos, para que nao seja preciso ver a cara feia dos agentes insatisfeitos nao querendo trabalhar, com má vontade, deixando a PM refem dos mesmos onde poderima fazer os boletins e continuar na rua atendendo. Ao contrario de se preocupar com isso a policia civil deve é começar a investigar os casos o que não estão fazendo.

    ResponderExcluir
  3. Ao meu ver o promotor esta procurando uma solução para amenizar o sofrimento da população que estar sem sabem a quem recorrer, se procura a PM a mesma diz que não é competência dela, se procura a civil ai sim arrumou mais um problema de chá de cadeira até esquecer o problema que ia resolver.

    ResponderExcluir
  4. É complicado entender que tudo isso não passa de uma forma de economizar para o governo do estado,usando os agente de segurança pública ,civis e militares ,como meros peões num jogo de xadrez.Usa-se os PMs, que tem salários menores que os Agentes PCs,para não se convocar estes segundos,e cria-se mais uma nova frente de trabalho para os primeiros.QUEREM ADEQUAR-SE A LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL, SENDO IRRESPONSÁVEIS.PORQUE NÃO PAGAM MELHOR A TODOS OS OPERADORES DE SEGURANÇA ?? SERIA BEM MAIS FÁCIL...

    ResponderExcluir
  5. Em Martins mesmo se a PM não fizer, cadê a polícia civil?

    ResponderExcluir
  6. Unificação das Polícias?
    Na unificação, os delegados ganhariam status de Promotor de Justiça, os Oficiais PMs, Agentes e Escrivães de Polícia, status de Delegado e os Praças das PMs se tornariam Agentes de Polícias Estaduais…
    Assim, todos ficariam satisfeitos e a escassez de Promotores, Delegados e Policiais seria bastante atenuada…Saliento que antes haveriam cursos para aperfeiçoar esse profissionais, habilitando-os para as respectivas funções, que muitas vezes eles já exercem de forma irregular…

    Por exemplo: Há muitos Sargentos, Agentes, Escrivães e Oficiais de Polícia exercendo função de Delegado em várias cidades do Brasil…
    Fala-se muito em preservação das tradições… Mas, o que é mais importante? as tradições, ou a eficiência nas estruturas da segurança pública? Para quê serve o militarismo nas policias?

    Não seria o momento de dar aos agentes da segurança um caráter profissional desprovido do cerimonialismo e apêndices?
    Assim, a Segurança pública no Brasil melhoraria substancialmente… Para isso basta aprovar uma emenda constitucional… A segurança pública deverá atender os anseios da sociedade antes de qualquer interesse corporativo….

    O modelo de segurança vigente já se mostrou incapaz de atender com qualidade aos anseios da sociedade…

    Que venha dias melhores pra polícia, que Deus nos abençõe…

    ResponderExcluir