A FARSA DA SEGURANÇA NO RN


O repórter pergunta: “comandante, o que dizer dessa violência desenfreada que atinge agora até a própria policia?” O comandante responde: “É... Entregamos esta semana mais 140 viaturas novas, dois mil coletes à prova de balas, e cinco mil pistolas. O governo está fazendo sua parte esperamos que isso possa resolver o problema.” Você, leitor atento, ouvinte atento, telespectador atento, viu alguma relação da resposta do comandante com a pergunta do repórter? Há dois anos, o comando da policia militar do nosso estado vem repetindo na imprensa a mesma conversa. É como se quisesse subestimar a nossa inteligência, nos fazer de idiotas, já que estamos idiotizados. Quem estar a frente do combate sabe que a policia militar do nosso estado não tem planejamento algum para suas ações e quando algum desavisado tenta planejar algo é sufocado por uma ordem superior ou mesmo pelas limitações materiais que lhes são impostas. Trabalho em uma companhia que em menos de dois anos, mudou de comandante nove vezes, fora mais de um mês que passou sem comandante. Dentre esses teve aqueles que passaram uma semana. Um que passou apenas três dias e outros que chegaram e saíram sem ninguém os conhecer. PLANEJAMENTO DE TRABALHO?
Um deles tentou formular algo, esse passou três dias no comando. Todos os batalhões têm um oficial que fiscaliza todo o serviço de cada plantão. A maioria deles serve apenas para participar dos faltosos e dar entrevista para a TV quando algum policial faz alguma prisão. Além deste tem um sargento fiscal do batalhão, que se quer tem uma viatura para se locomover e sua missão em 24h é apenas pagar o vale refeição da tropa. Achando pouco, as companhias têm mais um sargento fiscal e este por sua vez também não tem viatura, para fiscalizar nada. Para completar tem ainda o sargento encarregado de manutenção e sua equipe, quando na unidade se quer tem oficina e este muitas vezes nem entende de mecânica. Já vi viatura bater o motor por falta d’água no radiador e outra passar uma semana “baixada” por falta de um fusível que custa 0,30 centavos. Em 13 anos na corporação ainda não trabalhei em nenhum lugar que apresentasse um plano de trabalho (ou ação) objetivo. Todos os dias, vão para as ruas, batalhões de homens, guiados apenas pela sua consciência. Se achar que deve fazer alguma coisa, o faz. Se não, “voa” pra passar a hora e só. A maior parte dos comandantes e seus subcomandantes aparecem apenas para assinarem punições ou sugeri-las quando dos desvios naturais de quem trabalha sem patrão. Vez por outra trocam a nomenclatura. POLICIA DO BAIRRO,RÁDIO PATRULHA, POLICIA COMUNITÁRIA, POLICIA INTERATIVA, RONDA CIDADÃ, RONDA ESCOLAR, PATAMO, FORÇA TÁTICA, CHOQUE, GTO.... E ASSIM SUCESSIVAMENTE. A cultura policial não muda, o gerenciamento não muda, o discurso elitista e politiqueiro não muda, as ações não mudam. Recentemente um comandante de unidade mandou punir um subordinado por que este desejou um bom dia aos companheiros via radiocomunicador. Até o salário mudou. Mas o problema da nossa policia militar não é salário. É formação. É planejamento de ações. É objetivo. É conhecimento. É vontade. É compromisso. É senso de responsabilidade. No interior do estado, policiais são obrigados a trabalharem sozinhos em uma cidade de 5 ,10, 12, mil habitantes. Eu, particularmente já atendi muitas ocorrências em uma cidade do interior em meu próprio carro, com meus próprios custos para não ter que ser entendido pela população como omisso. Se algum subordinado se recusar a permanecer sozinho, certamente será punido no mínimo com um prisão, e se sair , penalizado por abandono de posto. Isso acontece rotineiramente. Denunciar... Nem pensar. Conheço a história de um que denunciou situação semelhante e foi punido com oito dias de prisão e uma queda no comportamento, o prejudicando para o futuro. Afinal, o escudo arbitrário dessa miséria é o estatuto autoritário e ultrapassado que confere aos comandantes poderes de semideuses. Estamos num calabouço escuro de faz-de-conta. O principio da autoridade que nos foi concedida pelo estado para representa-lo é surrupiado pelos nossos próprios superiores no interior dos quarteis. Somos reduzidos a estrume. Alguém acredita que o Estado está preocupado com a ceifa de nosso colegas que estão sendo abatidos indiscriminadamente dia após dia? Isso não começou ontem... Fazem já anos que estamos perdendo o controle. Mudar os nomes não resolve... É preciso mudar a postura dos que gerenciam. Na iniciativa privada, o gerente é o primeiro e o último. Instruído planeja, sugere, coordena. Assume os riscos pelos erros e acertos. No poder público gerenciar (leia-se comandar) significa estar ausente. Assinar papéis, chegar tarde e sair cedo. E como na filosofia “militaresca”, o comandante é o espelho da tropa, vamos aos poucos adentrando ao abismo da inoperância e do insucesso. Sem mais delongas... “é muita estrela pra pouca constelação”.

ACSPMRN - DIRETORIA DE COMUNICAÇÃO

3 comentários:

  1. Nós precisamos de administradores sérios, compromissados com a segurança pública, com a polícia e principalmente com o cidadão, deixando de lado essa politicagem quem infelizmente direta ou indiretamente administra toda essa engrenagem.
    Hoje nós podemos ver os esforços de alguns que tentam, dentro de suas limitações tentar mudar a realidade, más infelizmente não tem o apoio necessário.
    Eu peço a Deus que ele abra os olhos dos nossos administradores para essa dura realidade, se não for feito algo sério urgentemente, chegaremos a níveis intoleráveis de insegurança pública.

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. companheiros que ficam no confronto direto nas ruas do rn ou do nosso pais, nao se emganen jamais eles vao dar apoio a quem a tempo pede por socorro, eles sao loucos de perderem as tetas gordas , pq se eles fossem a frente dos batalhoes e tivesse a coragem e nao fosse envolvidos nessa politica sebosa, e falacem alto e em bom som que a tolerancia e zero p bandidos, ai vc ia ver uma policia moralizada, pq nossas policiais tem homem que honra a farda e tem coragem p trabalhar e prender bandidos.

    ResponderExcluir