MANIFESTANTES ACUSAM A POLÍCIA MILITAR DE TRUCULÊNCIA

Manifestantes negam que tenham enfrentado a Polícia Militar durante o protesto contra o aumento da passagem de ônibus, que foi realizado nesta quarta-feira (29) na BR 101. O movimento terminou com a PM emitindo bombas de efeito moral e tiros com bala de borracha. O estudante de jornalismo, Marcelo Lima, foi detido, mas já se encontra em liberdade.

Ele comentou que foi agredido pelos policiais com as balas de borracha e foi questionar a PM a fim de saber quem é o responsável pela operação. Entretanto, Lima foi detido por desacato à autoridade e em seguida, levado numa viatura policial para o Plantão Zona Sul. “A Polícia agiu de forma truculenta”, disse.

Marcelo vai levar o caso para Corregedoria da Polícia Militar ainda nesta quinta-feira (30) e realizará exame de corpo delito. Além disso, ele vai denunciar o caso para o Centro de Referência de Direitos Humanos, vinculado a Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), que apoia o movimento.

“A manifestação responde em nome dos usuários que dependem do transporte coletivo”, afirma o estudante.

De acordo com a polícia, os estudantes depredaram carros e ônibus e por isso a manifestação foi interferida após duas horas, na altura do supermercado Nordestão. Contudo, o estudante Y.G.S, de 17 anos, organizador do evento, nega este ocorrido e que a manifestação foi pacífica.

“O movimento não estava fazendo nada demais. A gente não quebrou nada”, disse o estudante que se sente ameaçado. De acordo com o menor, quando os manifestantes chegaram à altura do supermercado, a polícia já estava formando o cerco no local.

Y.G.S. nega que os estudantes estavam portando alguma arma e argumenta que houve abuso de autoridade por parte dos policiais. “Eu estou com muito medo”, comentou.

O protesto atraiu duas mil pessoas e andaram pela BR 101 trajados de pretos e com mensagens de protestos contra o reajuste e as empresas que são responsáveis pelo transporte coletivo da cidade.

A tarifa do transporte público aumentou em 10%. Antes, ela custava R$ 2,20 e agora vale R$2,40. A Secretaria de Mobilidade Urbana (Semob) anunciou o reajuste no final da tarde de segunda-feira (27) e deixou várias pessoas surpresas com a atitude.

Por causa do novo preço, Natal é a segunda capital nordestina com o preço mais caro, perdendo apenas para Salvador. Um novo manifesto será realizado na sexta-feira (31), em frente à Prefeitura.
NOMINUTO.COM

Um comentário:

  1. a luta dos natalenses tem que continuar, e a policia tem que apoiar, afinal, os mesmos tem filhos e familiares que dependem do transporte público, impactando sobre o bolso deles esse aumento absurdo!!!

    ResponderExcluir