CENTRO CLÍNICO DA PMRN: DESCASO COM A SAÚDE PSIQUIÁTRICA

Considerada uma das atividades profissionais de maior incidência de problemas psicológicos e psiquiátricos, a atividade policial tem motivado muitas seqüelas pessoais e sociais na vida de nossos profissionais. Em função disso, a psiquiatria tem sido a especialidade médica mais requisitada pelos policiais que atuam no serviço operacional, como tem sido razão da maior parte dos encaminhamentos à junta médica da PM.

Estranhamente esta especialidade tem sido vista com extremo descaso pelas autoridades de saúde da nossa corporação. É fato: marquei uma consulta psiquiátrica por telefone no nosso centro clinico para atendimento 37 dias após a marcação.

A ansiedade foi inevitável, fora os serviços alterados e a necessidade de permutas diversas pela incapacidade de trabalhar. Chegado o grande dia (05 de junho de 2012, 07h30minh) me encaminhai cedo ao encontro de minha grande decepção: primeiro as informações desencontradas. No centro clinico ninguém sabia de nada sobre essa consulta, nem ao menos onde estava o DR.

Após vasta peregrinação pelos corredores, juntei-me a outros tantos que haviam caído no mesmo golpe, todos aflitos, dentre eles alguns que precisavam retornar a junta médica para reavaliação e renovação da licença médica. Nos mandaram para o primeiro andar, depois para o térreo, depois para a junta médica, depois nos informaram que o DR havia subido, depois que ele já estava na junta atendendo a todos e por fim a verdadeira informação: O DR NÃO VEM HOJE, REMARQUEM SUAS CONSULTAS. No fichário, fomos atendidos sob os olhares sonsos, dos responsáveis pelo serviço (ou desserviço?) que nos fizeram o favor de remarcar a consulta para o dia 03 de julho, ou seja, um mês depois da consulta que estávamos esperando a um mês. E o pior, todos saíram reclamando, mas se recusaram a procurar a direção do centro para ver uma solução para o problema.

Provavelmente os que precisavam retornar para a junta serão automaticamente considerados aptos ao serviço, como sempre ocorre. Os que buscavam receita de medicamento de venda controlada, haverão de “dar um jeito” ou morrerem a míngua, termo muito utilizado pela minha avó e que significa morrer (ou matar) sem nenhuma atenção ou cuidado.

Os que precisavam de tratamento e afastamento do trabalho retornarão às ruas, mesmo sequelados a espera de mais trinta dias, para quem sabe, no dia 03 de julho, remarcarem para agosto, depois setembro e depois serem informados que o DR estará de férias, afinal, será final de ano e ninguém é de ferro, não é mesmo? Enquanto isso, que se afastem os cidadãos, pois na próxima esquina pode ter um louco armado para lhe espancar, atirar e descarregar a ira do descaso naquele que nada tem haver com o próprio: você.

Importante dizer-lhes que o profissional responsável pela psiquiatria no nosso centro de atendimento, acabou de tirar licença de 06 meses sem que ficasse nenhum substituto, assim como ocorreu com a urologia e ocorrerá com outras tantas especialidades ditas imprescindíveis ao trabalho policial, sem que nenhuma atitude seja tomada no sentido de preservar a saúde necessária ao policial para o exercício da sua atividade fim.

Nossa chaga principal é gestão. Não dá pra culpar apenas o executivo quando seus assessores insistem em gerenciar de longe aquilo que deveria ser gerenciado de dentro.

A palavra é descaso.

DIRETORIA DE COMUICAÇÃO ACSPMRN

3 comentários:

  1. Faço minhas as palavras do médico Salomão Gurgel :

    ‏@SalomaoGurgel

    Os doente mentais, jogados no Hospital Regional de Caicó, não são evoluidos por psiquiatras há dias: toman remédio sem nada ter com a doenca

    ResponderExcluir
  2. PAULO

    Postado em 6 de junho de 2012

    Só pode! sendo orientada por um HOMEM depressivo para não dizer esquizofrenico deixando todo RN sofrendo e não estão nem ,nem e dale a ROSA cheia de ESPINHOS!!!! Neste ESTADO é cada um PIOR que o OUTRO,não estao nem AI para o POVO.

    ResponderExcluir
  3. É muito triste saber que os quase 10 mil PMs tem apenas 1 único médico que nem diagnostico dá. É um quadro altamente necessário e o que vemos por essa matéria e por fatos que nos deparamos e até relatos é que a sorte e o destino é que guiam alguns policiais. Imagine uma pessoa que tem problemas como esses ser colocado nas ruas???? Sorte a todos. Civis e Militares.

    ResponderExcluir