SOLDADO DA PM É DETIDO APÓS CONFUSÃO EM CASA DE SHOW

Um soldado da Polícia Militar foi detido, na madrugada desta quinta-feira (5), após uma confusão em uma casa de show no bairro de Ponta Negra. O soldado estava no Rastapé, quando discutiu com uma funcionária do estabelecimento e sacou uma arma na frente de várias pessoas, passando a ameaçar seguranças. Ele foi detido por outros policiais militares e levada para uma unidade da Polícia Civil.

A confusão aconteceu durante uma festa de forró. A garçonete do Rastapé contou aos policiais civis que o policial militar, que estava à paisana, procurou-a para comprar cinco fichas de cervejas.

Para isso, ele deu R$ 15. Quando a jovem entregou as cinco fichas, o soldado teria dito que não queria mais beber cerveja e queria uísque. A jovem respondeu que com aquelas mesmas fichas ele poderia pegar o uísque, tendo em vista que a dose era R$ 6. Mesmo assim, o policial militar teria ficado nervoso e falou alterado que a garçonete teria que trocar as fichas por outras.

Com isso, a jovem pediu que ele esperasse um minuto enquanto atendia outro cliente. Neste momento, de acordo com o relato da funcionária da casa de show, o policial teria começado a bater na mão dele e a proferir palavras de baixo calão. Foi então que ela acionou a segurança da casa. Quando os seguranças chegaram para abordar o soldado, ele tirou uma pistola de dentro da roupa e apontou para os funcionários.

Isso fez com que outros seguranças acionassem a Polícia Militar. Uma equipe do 5º Batalhão foi até o local e deteve o soldado, conduzindo-o até a Delegacia de Plantão da Zona Sul, em Candelária. Diante das testemunhas e das versões contadas, o delegado Custódio Arraes resolveu autuar o policial pelos crimes de injúria e porte ilegal de arma, tendo em vista que ele não estava de serviço.

O policial também poderia ter sido autuado por ameaça, no entanto, o segurança da casa de show não compareceu até a delegacia para realizar a queixa. Após os procedimentos da Polícia Civil, o policial militar iria pagar fiança e ganhar o direito a responder aos processos em liberdade. A arma usada pelo soldado era uma pistola calibre ponto 40, que foi apreendida.

PORTAL BO                                                            * O nome do soldado foi preservado.

3 comentários:

  1. Pode até caber o crime de injúria(art. 140 do CP, Injuriar alguém, ofendendo-lhe a dignidade ou decoro):, eu falei, pode até caber, isso tem q ser analisado de acordo com o sentimento subjetivo da vítima(a garçonete), mas,sinceramente,não entendi o porquê do PM ter sido autuado por porte ilegal de arma!!!! só o fato de o policial não está de serviço, não cabe o crime de porte ilegal de arma. Ele pode muito bem portar arma(particular ou da instituição) obedecendo as legalidades. No caso de arma particular, basta a identidade militar e o porte(documento que é expedido pela PM que dá direito ao porte, até mesmo em locais de aglomeração) e a arma da instituição, com as devidas autorizações. Não estou apoiando a atitude do PM, mas se ele tinha o porte legal, ele não pode ser autuado por porte ilegal, simplesmente pelo fato de não está de serviço. Se foi esse o critério que o delegado utilizou,no meu ponto de vista, ele está totalmente equivocado!!! corrijam-me se eu estiver errado!!!!!!

    ResponderExcluir
  2. Achei interessante falar o nome do Soldade e no final da matéria ainda destacar assim: * O nome do soldado foi preservado.

    kkkkkk komedia

    ResponderExcluir
  3. Realmente, eu errei no ultimo parágrafo.

    Muito obrigado pela ajuda!

    ResponderExcluir