POLICIA MILITAR ABANDONA O POSTO FISCAL CARAÚ

A ausência de policiais militares no posto fiscal de Caraú está tornando o local um ponto de venda de entorpecentes e de prostituição.

Mesmo com a ausência da Polícia Militar, o posto fiscal continua realizando o serviço de conferência de notas fiscais e recolhimento de impostos. Diariamente são vistoriados cerca de 800 a mil caminhões.

POLÍCIA MILITAR
O posto fiscal de Caraú fica localizado em Baía Formosa, e o Capitão Marcones Fernandes responsável pelo policiamento da região informou que os policiais não estão trabalhando no posto porque a Secretaria Estadual de Tributação (SET) não paga as diárias dos policiais desde dezembro do ano passado.

POSTO FISCAL CARAÚ
O subdiretor do posto, Sérgio Medeiros, confirmou que os policiais não tiram mais serviço no posto fiscal porque as diárias deixaram de ser pagas.

"Eles chegaram até a voltar quando a remuneração foi paga em fevereiro. Mas em março voltaram a cortar e eles não vieram mais, e esta falta de segurança é prejudicial tanto para quem trabalha no posto como, principalmente, aos caminhoneiros parados no pátio”, comenta Ségio Medeiros.

ASSSPRA
O presidente da Associação dos Praças da Polícia Militar da Região Agreste (Asspra), o soldado Heitor, confirma que a ausência dos PMs no posto fiscal de Caraú se deve à falta de pagamento das gratificações.

"Lembrando que não é obrigação dos policiais trabalharem neste Posto. Eles são voluntários e precisam desse extra. Contudo, independente disso, a Companhia PM de Canguaretama faz o patrulhamento no local e atende as ocorrências. Não podemos ficar com uma equipe fixa no posto fiscal, pois traria uma perda ao policiamento na cidade", comenta Soldado Heitor.

SECRETARIA DE TRIBUTAÇÃO
“Já estamos providenciando a regularização das diárias de dezembro para que tudo volte ao normal. Não vamos pagar a gratificação de janeiro porque os policiais não trabalharam mesmo naquele mês, então não se justifica pagar por um serviço que não foi feito,” declarou o secretário estadual de Tributação, José Airton da Silva.

Ou seja, não vai resolver nada

Nenhum comentário:

Postar um comentário