199 HOMICÍDIOS FOI A MARCA ALCANÇADA PELA VIOLÊNCIA E INSEGURANÇA DO RN

Renildo Francelino, Dalvimar da Silva, Gleydson Fagundes, Elcione Borges. Laykson Franklin, Wendell Evandro, Elionai Tavares, Kerginaldo Pereira. Abimael Wilk e Euclides Fernandes. Esses são apenas 10 dos quase 200 nomes que compõem uma lista escrita com letras de sangue em páginas da violência. O Rio Grande do Norte registrou durante os 100 primeiros dias de 2012, 199 assassinatos. Em média, 14 por semana.

Cada homem e mulher que tombou sem vida no território potiguar se tornou marca de uma crescente violência. Os "alvos" possuem perfis comuns e formam o padrão da morte. Quase 50% dos assassinatos envolvem jovens entre 15 e 25 anos - a grande maioria homens - e em mais de 90% dos casos foram utilizadas armas de fogo.

Enquanto os números se avolumam, a sociedade não vê os projetos previstos saírem do papel. A famigerada Divisão de Homicídios pode não se concretizar em 2012 e a Secretaria de Segurança já estuda outras medidas para conter o avanço da criminalidade.

A impunidade compromete a credibilidade do trabalho policial e dá espaço para o ciclo da criminalidade. A opinião é do promotor de Justiça de Investigação Criminal, Wendell Bethoven Ribeiro Agra.

"Faz 15 anos que eu estou no Ministério Público e 12 que estou nessa promotoria. Posso dizer que eficiência da PC diminuiu nesse intervalo de tempo. Há 10 anos, a PC funcionava melhor do que funciona hoje", afirmou.

Quando assumiu a pasta no início de 2011, Aldair diz ter se surpreendido com a quantidade de casos de homicídios não resolvidos. "Mas por que isso acontecia ou ainda acontece? Não temos uma estrutura adequada de investigação de homicídios", apontou.

Desde o começo da sua gestão, o secretário apontou como prioridade a instituição de uma Divisão de Homicídios. "Tenho falado desde o início da necessidade de se criar uma Divisão. Até o momento, infelizmente, não conseguimos o efetivo e nem a estrutura para criar essa divisão de homicídios. Ela é primordial na seqüência do trabalho".

Enquanto o reforço policial não surge, a Secretaria pretende disponibilizar equipes da Delegacia Especializada de Homicídios para investigar casos que ocorram nos finais de semana. "O delegado-geral está estudando o caso. Assim, na sexta, sábado e domingo, quando ocorre a maior concentração de homicídios, montaríamos uma plantão da Delegacia de Homicídios. Ela mesmo atenderia o chamado daria início às investigações. Ainda vai depender de diárias operacionais e horas extras". Hoje, a Dehom só recebe casos depois que as distritais não consegue resolvê-los.

Segundo ele, a sua gestão tem progredido, ainda que "lentamente". "Temos os projetos e temos encaminhado para a governadora a nossa vontade de trabalhar. Estamos progredindo, mas ainda muito lentamente", afirmou.

Um comentário:

  1. O Rio Grande do Norte
    Registrou durante 100 dias
    Uma marca impressionante
    Como antes não se via
    Foram 199 homicídios
    A maioria de forma fria

    Os homens são maioria
    Mortos de forma violenta
    Que coisa triste e vergonhosa
    Isso a gente só lamenta
    Cadê a justiça do Brasil
    Onde a criminalidade só aumenta

    Muita gente argumenta
    A grande impunidade
    E o trabalho da Polícia
    Sem tanta credibilidade
    E a cada dia que passa
    Aumenta a criminalidade

    Esqueceram dar prioridade
    A segurança do cidadão
    Os homicídios esquecidos
    E a falta de investigação
    Faz o povo ter que fazer
    Justiça com a própria mão

    O policial de plantão
    Fica desmotivado
    Ver tudo isso acontecendo
    Dentro do nosso estado
    Pois luta tanto todo dia
    Mas nada tem funcionado

    O que me deixa indignado
    E quanto escuto falar
    “A polícia ganha muito”
    Não precisa se preocupar
    Diferente de antigamente
    Que não tinha nem onde morar

    Nunca vai funcionar
    Enquanto não der valor
    Ao Policial Militar
    Honesto e trabalhador
    Que arriscam suas vidas
    Sempre em nosso favor

    http://aldacicarreiro.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir