MINISTRO DA JUSTIÇA AMEAÇÃO PRENDER POLICIAIS MILITARES NOS PRESÍDIOS FEDERAIS

O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, afirmou que já fez o pedido de reserva de vagas em presídios de segurança máxima para encaminhar, caso seja necessário, os policiais militares que tenham cometido algum tipo de crime durante a mobilização grevista, que já dura cinco dias na Bahia. Durante coletiva à imprensa, realizada na manhã deste sábado (4) ainda na Base Aérea, onde desembarcou, o ministro frisou a relação que o governo federal mantém com as políticas de segurança estadual.

"A nossa compreensão é que o nome dessa polícia e das ações de segurança, o nome desse estado não pode atingido por um grupo de pessoas que imagina que as suas reinvindicações corporativas possam fazer valer qualquer tipo de ação, possam fazer valer a prática de crimes, abusos de todas as naturezas. Isso é inaceitável em um estado de direito", disse. Cardozo cita ainda que o governo federal oferece um "incondicional apoio na defesa da ordem e do estado de direito da Bahia".

O ministro da Justiça comenta que a presidente Dilma autorizou a 'operação de lei e de ordem', prevista na legislação em vigor. "Isso significa a possibilidade de além de mobilizarmos a Força Nacional, a Polícia Federal e as Forças Armadas, sob comando do Ministério da Defesa, trazer para o estado da Bahia talvez o maior contingente operacional que se fez em operações dessa natureza. São mais de três mil homens", relata.

O ministro diz, também, que a Polícia Federal já foi autorizada para investigar os crimes de modo complementar ao trabalho desenvolvido pela polícia civil de âmbito estadual. "A Polícia Federal já está orientada para que transgressões sejam apuradas e punidas com o máximo de vigor. Eventuais depredações a equipamentos, que estão nesse momento submetidos à operação de lei e ordem, qualifica-se como crime federal", acrescenta.

Até o momento, 12 mandados de prisão foram expedidos para pessoas distintas do movimento. Há previsão oficial de que soldados federais sejam deslocados para Assembleia Legislativa, onde acampam os grevistas, para cumprir mandados de reintegração de posse de viaturas da PM, expedidos pela Justiça na manhã deste sábado.

GLOBO

Um comentário:

  1. É sempre assim, os governos usam essa desculpa de ilegalidade e ai, junto com esses Senhores da Justiça, fecham os olhos para a situação de homens e mulheres, pais e mães de famílias que servem a sociedade e só fazem esse tipo de movimento porque já chegaram ao limite de suas tolerâncias.

    Isso se chama HIPOCRISIA, não respeitam os servidores, querem que se doem, falam em dignidade da pessoa humana, mas quando se trata de Policiais Militares, querem nos tratar como animais ou traficantes de drogas, ou ainda querem nos colocar no mesmo nível de bandidos como Beira-mar, Nem, ou FB.

    É assim Senhores, que estas pessoas nos veem,quando precisam de nós querem que sejamos eficientes, educados, prestativos, organizados, etc.

    Mas todos vivem empurrando os policiais para a marginalidade, inclusive em momentos como esse que só se quer que se sejam justos e que nos respeitem, a nós e a nossas famílias.

    É muito cômodo, fácil e covarde se apoiar numa ação que declara uma ilegalidade e chamar essas pessoas ( pais de família ) de bandidos, e assim varrer o problema para debaixo do tapete.

    Força bahianos, a luta de vocês também é nossa!!

    ResponderExcluir