"EU NÃO SOU CRIMINOSO", DIZ SOLDADO PRISCO

O presidente da Associação dos Policiais, Bombeiros e dos seus Familiares do Estado Bahia (Aspra), Marco Prisco, e os policiais filiados à entidade, esperam há cinco dias um espaço para negociação das pautas reivindicatórias com representantes do governo do estado. "A palavra é negociação", diz Prisco neste sábado (4), na sede da Assembleia Legislativa, onde está desde a noite de terça-feira (31).

A assessoria de comunicação da Secretaria de Segurança Pública (SSP-BA) informa, no entanto, que o governador e o secretário da pasta, Maurício Barbosa, mantém a postura de não acatar o pedido, por considerar a associação ilegítima e por associar os atos de vandalismo, como furar os pneus dos ônibus e reter viaturas da PM, aos manifestantes.

"Era importante que o governo sentasse e negociasse até porque essa greve já enraizou. As forças federais não vão conseguir conter essa greve em todo o estado. E como a gente sempre tem falado, desde o início do movimento, não é um movimento da ASPRA, não é uma greve de uma entidade, o governo vem insistindo nisso", afirma Prisco, que, apesar de policial, foi afastado da corporação.

Doze policiais grevistas têm mandados de prisão expedido pela Justiça baiana, entre eles Prisco, segundo o governo do estado.

"Se existe um mandado de prisão, que se cumpra. Aí os nossos advogados vão recorrer por isso, porque eu não sou criminoso. Eu sou um policial militar, pai de família, tenho dois filhos, tenho a minha esposa e sou servo do Senhor", diz.

O sargento Juscelino, filiado à Aspra e que também ocupa a Assembleia, tenta esclarecer os motivos à sociedade. "Nós pedimos desculpas às famílias baianas pelo incômodo que o movimento causa, mas esta é a forma que encontramos para pedir os nossos direitos".

GLOBO

Nenhum comentário:

Postar um comentário