EFETIVO REDUZIDO DE MOSSORÓ OCASIONA PROBLEMAS

O número aproximado de policiais lotados hoje nos dois batalhões de Mossoró varia em torno de 600, incluindo os militares que trabalham nas cidades vizinhas e são subordinadas as duas unidades mossoroenses.

Esse número está muito aquém do ideal, segundo o presidente da associação que representa os praças de Mossoró e região Oeste do RN, soldado Clayton Jadson. Deveria, no mínimo, dobrar o quadro atual.

O segundo batalhão da cidade foi inaugurado no fim do ano passado com a promessa de incrementar o efetivo de Mossoró e região, o que, na prática, não aconteceu. A nova unidade simplesmente dividiu a estrutura do antigo batalhão.

Jadson alerta para a necessidade de se reforçar o efetivo da PM em Mossoró e região, bem como noutras cidades do interior norte-rio-grandense.

O efetivo total da PM no Rio Grande do Norte é de aproximadamente 10 mil homens, sendo boa parte desse pessoal lotado na região metropolitana do Estado, prejudicando as cidades do interior.

Devido a esse número reduzido, muitas cidades do interior usam escalas não recomendadas por especialistas. Os policiais são forçados a trabalhar em regimes desgastantes. O normal é a escala que prevê 24 horas de trabalho e 72 de folga.

Seguindo essa linha, utiliza-se também uma escala reduzida, dividia em duas partes, onde o PM trabalha 12 e folga 24, retomando 12 horas de trabalho e folgando por mais 36.

Devido a esse número reduzido de policiais, algumas unidades trabalham numa escala de 24 horas diretas com folga de apenas 48, retirando 24.

Jadson lembra que a entidade inclusive já ganhou ações judiciais contra o Governo do Estado devido essas escalas.

Diárias da Operação Verão não foram pagas

Os policiais que foram escalados para trabalhar entre o fim de dezembro do ano passado e fevereiro deste ano ainda estão esperando pelo pagamento das diárias operacionais. A previsão do Governo do Estado era que o pagamento fosse feito logo após o término das atividades.

A Operação Verão foi montada para garantir a segurança nas cidades litorâneas, que costumam receber milhares de visitantes todos os anos.

A Associação de Praças de Mossoró e Região pretende encaminhar um ofício ao comando-geral da Polícia Militar do Rio Grande do Norte cobrando providências quanto à quitação dessas dívidas, que a exemplo de outras operações de caráter extra, demoraram para serem pagas aos militares.

Concomitante com essa ação, a entidade vai aguardar o pronunciamento sobre o pagamento das diárias do Carnaval também. Caso haja atraso, assim como ocorre na Operação Verão, será encaminhado também documento referente.

JORNAL DE FATO

Um comentário:

  1. Interessante notar que no 2ºBPM, todos os policiais se voluntariaram, e que, por acreditar no atual comando, teve policial que não conseguiu se voluntariar em tempo.

    Agora em relação ao 12ºBPM, sabe-se que quase ninguém se voluntariou, pois já ah precedentes de mal tratamento aos policiais voluntários, inclusive com o desrespeito nos locais dos eventos.

    Parabéns ao Comando e a sargenteação atual do 2º BPM, que nada mais fez do que saber usar inteligentemente o respeito aos seus subordinados em nome da eficiência na aplicação e prestação do serviço á sociedade.

    ResponderExcluir