CABO JEOÁS SANTOS PODE SER CONSIDERADO DESERTOR

O cabo Jeoás Nascimento dos Santos poderá ser considerado desertor da Polícia Militar do Rio Grande do Norte. O abandono de trabalho que configura crime seria concretizado à meia-noite de ontem, caso o PM não tenha se apresentado a uma unidade militar. Contra ele, existe um mandado de prisão expedido pela Justiça baiana, que o acusa de depredação do patrimônio público e formação de quadrilha durante a greve da categoria policial no Estado. Ele já foi notificado pela ausência no 1º Batalhão da PM, na zona Leste de Natal, onde é lotado.

Nesta terça-feira terminou o prazo para apresentação do cabo à Polícia Militar. A partir de agora, caso não se apresente, o cabo Jeoás sofrerá uma série de sanções administrativas e judiciais. "Será lavrado um termo de deserção e comunicado ao juiz da 11ª Vara Criminal (Auditoria Militar)", esclareceu o comandante-geral da PM, coronel Francisco Araújo.

Após o comunicado, a diretoria de pessoal tomará ciência do crime e procederá à suspensão do salário do policial. O crime de deserção prevê a punição administrativa de 60 dias de detenção, a serem cumpridos em uma unidade militar. Caso se apresente antes da meia-noite, o cabo Jeoás enfrentará uma sindicância, onde será apurado o motivo da sua ausência.

Em contato com a reportagem da TRIBUNA DO NORTE, a Associação de Cabos e Soldados da PM/RN (ACS) se pronunciou alegando que "busca remédios jurídicos para reverter a prisão motivada politicamente"

TRIBUNA DO NORTE

Nenhum comentário:

Postar um comentário