HOMICÍDIOS EM NATAL TÊM CRESCIMENTO DE 251%

"Maioria dos crimes está ligada ao
tráfico de drogas" Coronel Araújo
Segundo o Mapa da Violência 2012, divulgado essa semana pelo Instituto Sangari, a capital do Estado, nos últimos dez anos, acumulou a terceira maior taxa de crescimento desse tipo de crime no Nordeste. Com variação de 251,4%, Natal só perde para São Luís-MA e Salvador-BA no ranking da violência urbana.

O estudo mostra ainda que, se comparado os números de homicídios para cada grupo de 100 mil habitantes, Natal é a segunda capital com o menor taxa do país. Em entrevista concedida à TRIBUNA DO NORTE em julho passado, quando analisou o crescimento desse tipo de crime na capital, especialmente à noite, o comandante da Polícia Militar do Estado, coronel Francisco Araújo, os números estão diretamente relacionados ao tráfico de drogas.

"A maioria dos homicídios ocorre em consequência de endividamentos com traficantes. O criminoso escolhe o período da noite para acertar as contas porque é mais difícil ele ser reconhecido por possíveis testemunhas. Quase sempre, a vítima é atingida após ação de uma dupla usando moto", afirmou.


A reportagem procurou o titular da secretaria de Estado da Segurança Pública e da Defesa Social (Sesed), Aldair da Rocha, para comentar o assunto e saber quais as metas da secretaria para diminuir os índices de criminalidade na capital. Porém, a assessoria de imprensa da Sesed informou que o secretário só estaria disponível para conceder entrevista na próxima semana. O secretário adjunto da pasta, Clidenor Cosme da Silva Júnior, também não estava disponível para receber a reportagem.

O Mapa da Violência não traz os números de 2011. A Sesed divulgou os dados somente do primeiro semestre. Até julho desse ano, foram contabilizados 144 homicídios na capital potiguar. O ano começou violento. Com quase um homicídio por dia, janeiro registou a impressionante marca de 29 assassinatos. Em segundo lugar no "ranking da morte", aparece o mês de abril com 28 crimes com morte. "Janeiro é o mês em que acontece muitos acertos de contas. O usuário, por conta das festas de fim de ano, Carnatal, consome uma quantidade maior de droga. Ele deixa uma conta não paga. No mês seguinte, o traficante vai atrás. Se o usuário não tiver dinheiro, paga com a vida", explicou coronel Araújo.

Divisão de Homicídios não saiu do papel
Apontado com prioridade número "1" da atual gestão da Sesed, a Divisão de Homicídios ainda não saiu do papel. Na verdade, nem no papel está concretizada ainda. O que seria criado através de um projeto de lei, agora será por um decreto da governadora Rosalba Ciarlini. Isso ocorreu com objetivo de não gerar mais gastos para o Executivo. A estrutura da Divisão, apontada como o que seria o grande avanço na investigação de crimes contra a vida, virá da atual e já deficitária estrutura da Polícia Civil. Esta semana, Silva Júnior, afirmou que até fevereiro a Divisão estará funcionando. Ele reconheceu as dificuldades e disse que trabalha para revertê-las. "Precisamos avançar hoje na questão dos homicídios. É imperioso criar a Divisão de Homicídios. Não conseguimos criá-la ainda por falta de delegados", disse.

De acordo com o secretário adjunto, o decreto que cria a Divisão já está em andamento e encontra-se com o Delegado-Geral da Polícia Civil, Fábio Rogério, há cerca de 20 dias. "Quando concretizada, o avanço será muito grande e com sucesso comprovado em outros Estados, como Ceará e Pernambuco. Achamos que vai dá pra remanejar o efetivo mínimo para o funcionamento da Divisão. Imagino que até o mês de fevereiro do próximo ano a Divisão estará funcionando. Estamos hoje atrás da questão estrutural, prédio para alugar", afirmou.

De acordo com Silva Júnior, a nova Divisão congregará várias delegacias. "Na capital, elas vão atender 24 horas por dia, estando em todas as cenas de crimes como homicídio. No local, o delegado dá início a investigação a partir dali, com todos os indícios que possam ser coletados", explicou.

TRIBUNA DO NORTE

Nenhum comentário:

Postar um comentário