“TODOS ELES ERAM DO MEU GABINETE”, CONTRA-ATACA SIQUEIRA

Por várias vezes citado por seus pares da Polícia Militar como uma decepção no cumprimento do mandato, o Sargento Siqueira, hoje advogado e secretário adjunto da Semsur, devolve na mesma moeda as acusações de que não honrou na Câmara de Vereadores, os compromissos com a categoria.

“Todos eles eram do meu gabinete”, contra-ataca.

Com sua base eleitoral na área da segurança pública, Siqueira nega que tenha decepcionado a categoria. Acha uma injustiça ser acusado de fazer de seus mandatos um ganho pessoal. “Eles não têm parâmetro para falar isso”, retruca.

E cita que Sargento Regina trabalhou em seu gabinete, da mesma forma que o presidente da Associação dos Cabos e Sargentos da PM, cabo Jeoás.

“Regina que abandonou a categoria. Pode fazer uma pesquisa com os policiais”, complementa.

Candidato a vereador não eleito em 2000, assumiu a suplência. Em 2004 foi eleito para a Câmara e derrotado em 2008 após o escândalo da Operação Impacto.

Em 2010 assumiu como suplente de Gilson Moura. “Não existe ex-político, existe político sem mandato”, assina Sargento Siqueira que emenda: “Não sou candidato em 2012”.

Sargento Siqueira entrou na Polícia Militar em 1989. Passou vinte um anos na corporação. Por ter assumido um cargo eletivo partidário pelo benefício do ex-ofício hoje é um militar da reserva remunerada e como advogado, diz ter se dedicado a defender causas de policiais militares.

“Continuo, com muito orgulho, a ajudar a categoria, só que de outra forma”, anuncia.

Por Silvio Andrade, Novo Jornal

6 comentários:

  1. em outras palavras, farinha do mesmo saco...fica dificil acreditarmos em policiais vereadores, mesmo sabendo que esse seria o caminho para um Deputado PM, embora todos até agora que se propusseram a esse caminho decepcionaram de alguma forma, quando chegaremos lá? sinceramente eu nao acredito que isso esteja perto de acontecer. continuarei estudando e amando essa PM tão sofrida e desvalorizada...

    ResponderExcluir
  2. Sgt. Siqueira quer justificar o injuntificavel, ele vendeu a categoria por cargos e vez todo tipo de arumado dentro da Camara Municipal. Já vai tarde.

    ResponderExcluir
  3. esse siqueira traiu a corporação; mas tem uma coisa siqueirinha pela tua traição nunca mais tu vai ter o prazer de sentar numa cadeira politica. não só você como tantos que agirem como vc agiu; judas. tivesse honrado o teu mandato talvez hoje fosse um deputado de prestigio isso é se algum tem prestigio. a cobiça é a raiz de todos os males do homem.

    ResponderExcluir
  4. falou certo todos farinha do mesmo saco,tomara que nossos companheiros não vote nessa farinha pois até agora ninquem vio nada e nem vai ver.

    ResponderExcluir
  5. Pessoal a traição de Siqueira começou quando o mesmo deu um chute no trazeiro do Sub. Ten. Julio Ribeiro. este sim lutou pela categoria e só ganhou maleficiso e sofrimento, pois até neccessidade este passou dependendo da ajuda de alguns amigosd para sobreviver, quantas e quantas vezes Siqueira acompanhado de Julio Ribeiro, se cresceu na opinião pública, quem derrubou Julio não foia categoria e sim SIQUEIRA

    ResponderExcluir
  6. marcos9ºbpm
    sabemos que hoje, seja qual for a categoria tem que ter representaçõ politica, seja no municipio, estado eou federal, pois tudo se miove pela politica,o problema e que aqueles que chegam lá com os votos dos seus pares, acabam, saido do objetivo, pelos quais foram colocados,e acabam se vendedo, se corrompendo, e dando as costam para aqieles que o apoiaram,esquecendo que da mesma forma que foi colacado, sera tirados.

    ResponderExcluir