QUARTELADA DE VOTOS

A CASERNA VAI às urnas. E não somente para votar. Nas eleições de 2012 um número recorde de policiais militares deve se candidatar a uma vaga nas principais câmaras municipais do Rio Grande do Norte. Na capital, Mossoró e Região Metropolitana, principais colégios eleitorais do Estado, a corporação já tem candidatos a vereador.

Ao todo, no estado, são cerca de 9.600 PM’s, o que corresponde a um contingente de, pelo menos, 30 mil eleitores contabilizando os familiares.

“É a vontade do policial militar de participar dos rumos da política e segurança pública”, prenuncia o presidente da Associação de Cabos e Soldados da PM/RN, cabo Jeoás.

Há uma orientação da Associação Nacional da categoria, da qual cabo Jeoás é vice-presidente, de incentivar a participação e inserção de policiais nos poderes legislativos como forma de garantir força política para as principais reivindicações dos homens de farda.

A Associação de Cabos e Soldados pretende catalisar as candidaturas dos PM’s.

Vai convocar aqueles que desejam ser candidatos no próximo ano e estabelecer critérios e demandas para quem quiser o apoio da família militar.

“É um direito de todo cidadão”. Mas não haverá interferência alguma no interesse daqueles policiais que não quiserem se juntar à entidade.

Os nomes dos candidatos por enquanto não são divulgados oficialmente, mas a Associação já tem de doze a quinze candidatos nos principais colégios eleitorais e municípios com grande número de habitantes.

Além de Natal, Macaíba, Mossoró e Parnamirim, devem ser lançados candidatos em Caicó, Nova Cruz, Pau dos Ferros, Assu, Baraúnas, São José de Mipibu e Nísia Floresta.

São muitos policiais com vontade de participar da luta por um orçamento maior e políticas de segurança nos municípios, explica cabo Jeoás.

“Já temos os nomes dos policiais com reais chances de serem eleitos com o apoio da Associação”, afirma o presidente que não sabe ainda se será um dos concorrentes à eleição de 2012.

Para obter apoio dos policiais e seus familiares, o candidato deve ter como prerrogativa o compromisso de lutar pela melhoria das condições de vida dos PMs e, também, estar a par da realidade dos quartéis.

“O Rio Grande do Norte já teve alguns representantes que não tiveram um feedback da categoria depois de eleitos”, adverte cabo Jeoás.

O distanciamento dos candidatos eleitos com o apoio dos policiais militares poderá significar, na próxima eleição, uma derrota.

“Isso trouxe prejuízos à categoria”, pontua cabo Jeoás para quem a participação dos policiais na política deveria primar pelos benefícios em prol dos policiais.

Ele cita o caso do Sargento Siqueira que foi o primeiro eleito com o apoio dos PM’s. Mas durante os mandatos, diz, não correspondeu às lutas tradicionais por melhores condições de trabalho e salários.

Já no caso da Sargento Regina, comenta cabo Jeoás, também houve um distanciamento por parte dela dessa pauta de reivindicações. “Houve um distanciamento”, constata , que trabalhou para a eleição da Sargento em 2008, quando ela foi eleita com quase 5.500.

O presidente acha normal os eleitos incorporarem ao seu mandato uma ampliação das ações parlamentares, afinal, o vereador tem por obrigação atuar de forma mais abrangente. Mesmo tendo chegado às casas legislativas devido ao contingente eleitoral de suas categorias, mas isso não significa o esquecimento das demandas pelas quais ele chegou lá, pontua.

Por Silvio Andrade, Novo Jornal

4 comentários:

  1. "SEM UMA LÍNGUA COMUM NÃO SE PODEM CONCLUIR NEGÓCIOS". Sábio Filósofo - Chines - Kund-Fu-Tzu (Ccnfúcio). Se a classe POLICIA quer ter uma participação ativa e de decisões nas próximas eleições, precisa se unir. Realmente são muitos votos. Bem mais de que muitas classes, que não respeitam a polícia e antecipadamente fazem pre julgamentos. Vamos fazer valer nossa presença em todos os municípios. Vamos nos proteger, isto se faz com força politica. Dignidade e respeito, precisamos ser visto com homens honrados e não bandidos.

    ResponderExcluir
  2. Os policiais Militares já deram 3 tiros e posso afirmar que erraram todos. Inclusive eu mesmo atirei duas vezes e perdi meu alvo. Hoje só vejo uma pessoa com bons olhos para representar a classe, mas, é uma história pra ano que vem. O que sei é que nessa próxima eleição não voto em militar. Precisamos de um nome que realmente venha a trazer de volta a coragem e a dignidade de um representante de nossa classe. Torço por todos os PMs que desejam isso no interior do Estado, mas, na capital... só vejo sombras.

    Porque ao homem que é bom diante dele, dá Deus sabedoria e conhecimento e alegria; mas ao pecador dá trabalho, para que ele ajunte, e amontoe, para dá-lo ao que é bom perante Deus. Também isto é vaidade e aflição de espírito.
    eclesiastes 2:26

    ResponderExcluir
  3. Outra vez veremos muitos companheiros trilhando o caminho da política... Mais outra vez, vejo a possibilidade de se ter um ou mais representantes nestes caminhos não se consolidando pelo fato de tantos candidatos e a divisão dos votos... Em vez de se colocar um ou dois por vez, agora sera RECORDE DE CANDIDATOS e o meu sentimento de se ter um representante lá... Era mais outra vez...

    ResponderExcluir
  4. acho que essa historia de ''represante parlamentar'',é o principal motivo de nós,nunca evoluirmos como categoria.

    ResponderExcluir