SARGENTO REGINA ACUSA MUNICÍPIO DE TENTAR "MAQUIAR" CONTRATOS

A entrevista coletiva da prefeita Micarla de Sousa (PV), concedida na manhã de terça-feira (14), quando a gestora acusou os integrantes do movimento que pede o seu impeachment de “golpistas”, ainda repercute. 

A vereadora oposicionista Sargento Regina (PDT) respondeu dizendo que “quem está dando golpe é o poder Executivo”.

“A Prefeitura não abre a prestação de contas, como recomendou do MARCCO [Movimento Articulado de Combate à Corrupção]. Os contratos não são colocados na íntegra no Portal da Transparência”, declarou.


Na mesma entrevista, Micarla prometeu encaminhar, em até 72 horas, todos os contratos de aluguel do município para o Ministério Público Estadual (MPE). Regina acusou a prefeita de tentar “maquiar os contratos”.

“Se ela [Micarla] maquiar os contratos, temos todos os extratos dos aluguéis para mostrar. Ela tem que lembrar que é responsável por todos os atos desde o início da gestão. Não adianta, agora, querer maquiar”, atacou a vereadora.

Regina não economizou nas críticas e responsabilizou ainda a prefeita pelo que considera “o maior caos administrativo entre as prefeituras do Rio Grande do Norte”. “Essa gestão não tem nenhuma ação para mostrar ao povo”.

Para a vereadora, nem mesmo a implantação do Plano de Cargos Carreiras e Remunerações (PCCR) dos servidores municipais, anunciados pela prefeita como uma conquista histórica da sua gestão, pode ser atribuído à administração Micarla de Sousa.

“O PCCR saiu por causa da força do Sindicato dos Servidores. Foi preciso que os servidores viessem em procissão para a Câmara, ouvir desaforos do líder da prefeita, o vereador Enildo Alves [sem partido], que disse que os servidores iriam usar o dinheiro do vale-transporte para tomar cachaça”.

Ocupação da Câmara
Regina acusou o presidente da Câmara, Edivan Martins (PV), de agir com “intransigência” por haver “quebrado o compromisso” com os manifestantes que, há mais de uma semana, estão acampados no pátio interno da sede do legislativo.

“A OAB se colocou como defensora dos cidadãos, abriu um processo de diálogo e tentou fechar um acordo [para desocupar a Câmara]. Mas a OAB não é o presidente da Câmara. O vereador Edivan Martins foi quem rompeu o acordo com os estudantes e se negou a dialogar”.

Novamente, a vereadora voltou suas baterias contra a prefeita Micarla, a quem responsabilizou pela onda de protestos que ocorrem na cidade há pelo menos três semanas.

“Ela sabe o que o movimento quer, sabe qual é a pauta do movimento. Se ela não souber, então deve estar morando em outra cidade”, afirmou.

Para a vereadora, o episódio da ocupação na Câmara Municipal por alguns integrantes do Coletivo #ForaMicarla serviu para lembrar que o legislativo “é a casa do povo, não uma simples extensão da Prefeitura”.

Outro lado
A reportagem do Nominuto.com tentou falar com o líder da prefeita na Câmara, Enildo Alves (sem partido), mas o celular dele estava desligado. Também tentamos um contato com o secretário municipal de Comunicação Social, Jean Valério, mas ele não atendeu nossas ligações.

Fonte: nominuto.com

Um comentário: