JUSTIÇA NEGA RELAXAMENTO DE PRISÃO DE BOMBEIROS, DIZ TJ-RJ

A juíza Ana Paula Monte Figueiredo Pena Barros, da Auditoria da Justiça Militar do Rio, negou, na noite desta quarta-feira (8), o relaxamento da prisão de 431 bombeiros. As informações são do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJ-RJ). Na decisão, a juíza concluiu não haver qualquer nulidade no auto de prisão em flagrante.

O pedido havia sido feito na terça-feira (7) pela Defensoria Pública estadual. Em nota divulgada na terça-feira, a Defensoria havia informado que o pedido era para 439 bombeiros presos. No entanto, o Tribunal de Justiça do Rio informou que a juíza reconheceu que o pedido era para apenas 431 militares presos listados no auto em flagrante.


Ainda de acordo com o TJ-RJ, o auto de prisão em flagrante apresentado pela Corregedoria Interna do Corpo de Bombeiros diz respeito a 431 militares presos. Em sua decisão, a juíza alega que “a custódia cautelar de todos os militares mostra-se imprescindível à garantia da ordem pública, por conveniência da instrução criminal e para a manutenção dos princípios da hierarquia e da disciplina militares, que se encontram flagrantemente ameaçados”.

Ainda de acordo com a juíza Ana Paula, ao invadir o Quartel Central, desrespeitar seus superiores e danificar o patrimônio público, subvertendo a ordem assegurada pela Constituição, e exigindo a intervenção da Polícia Militar, os bombeiros extrapolaram seu exercício do direito de lutar por melhores condições de vida pessoal e profissional.

“Deste modo, eventual liberdade dos militares, ao menos neste momento, certamente fortaleceria a pecha deste movimento reivindicatório, não apenas com a ocupação de logradouros importantes da capital fluminense, mas também aumentaria ainda mais a certeza da impunidade daqueles militares que podem servir novamente como ‘massa de manobra’ e promover outros atos inaceitáveis”, justificou a juíza.

A Defensoria Pública informou que vai analisar os autos de prisão e a decisão da juíza Ana Paula Monte Figueiredo Pena Barros antes de tomar outras providências.

O Ministério Público do Rio (MP-RJ), por sua vez, encaminhou ao Juízo da Auditoria Militar, na noite de quarta-feira, parecer pela manutenção da prisão dos bombeiros presos. Subscrito pelos promotores de Justiça Leonardo Cuña de Souza e Isabella Pena Lucas, o documento atesta que trata-se de prisão em flagrante legalmente decretada por autoridade policial.

Frente única
Mais cedo, depois de uma reunião que durou duas horas com o comandante-geral do Corpo de Bombeiros, Sérgio Simões, o presidente da Associação de Cabos e Soldado do Corpo de Bombeiros, Nilo Guerreiro, disse que pretende formular uma proposta ao governo do estado do Rio estabelecendo um piso salarial de R$ 2. 900 para a categoria e para os policiais militares.

Segundo Guerreiro, foi criada a Frente Unificada das Entidades de Classe de Segurança Pública para consolidar a proposta. Ele afirmou ainda que 13 associações de classe apoiam o movimento dos bombeiros. O encontro foi na tarde desta quarta-feira (8).

"Essa é uma proposta unificada a partir das reuniões que fizemos até agora com outras associações para apresentar ao governador do estado. Vamos formular um documento que será encaminhado a Sérgio Cabral através do comandante", disse Nilo Guerreiro.

O coronel Sérgio Simões não falou em valores, mas disse que depois da reunião desta quarta-feira (8) eles começam a chegar a um entendimento.

"A determinação que eu recebi do governador é para consolidar esse trabalho e assim que fecharmos um documento, pretendo pedir uma audiência com o governador e apresentar uma proposta. Estou ouvindo a todos para ver os pontos de convergência", falou Simões.

Com relação às prisões, o comandante disse que soltar os presos é uma preocupação, mas não é da competência dele.

Apesar do encontro com o comandante-geral do Bombeiros, os presidentes das associações não abrem mão de serem recebidos por Cabral. "É uma coisa que estamos tentando desde o início do movimento. Para encerrar esse impasse, queremos apresentar nossa proposta e saber de imediato a resposta do próprio governador", acrescentou Guerreiro.

Comandante dos Bombeiros pede proposta reformulada
Na noite de terça-feira (7), após mais de quatro horas de reunião com sete representantes dos bombeiros, o comandante da corporação afirmou que a proposta salarial apresentada pelos militares precisava ser reformulada. Segundo ele, o piso estava acima do que o governo estadual pode pagar.

Bombeiros que protestam em frente à Assembleia Legislativa do Rio (Alerj) contra as prisões dos colegas após a invasão do Quartel Central da corporação começaram, na tarde desta quarta-feira (8), a raspar os cabelos. Eles dizem que o fato é em apoio aos colegas detidos.

"Estou aqui protestando na Alerj desde sábado, não saí daqui. Como meus colegas presos, eu também estou preso. Nosso ato é para mostrar ao governo que estamos unidos. Eles não vão nos separar", disse o sargento Paulo Nascimento, que liderava o movimento. Com um apito, ele acionava os colegas a se juntarem a ele.

Uma fila logo se formou atrás do carro de som de um sindicato que apoia a causa dos bombeiros. Segundo estimativas de policiais militares, pelo menos 300 manifestantes, entre bombeiros e familiares, continuam protestando em frente à Alerj nesta quarta. Muitos passaram a noite acampados no local.

Eles receberam colchonetes nesta quarta-feira (8). O local virou o principal palco para os protestos da categoria, que reivindica aumento salarial e a libertação dos colegas presos. Muitos motoristas passaram a usar uma fita vermelha nos veículos, em apoio aos militares.

Fonte: G1

Um comentário:

  1. aqui neste pequeno espaço deixo minha indguinação, quanto ao que esta acontecendo no rj,enquanto pais de familias, pessoas onrradas e trabalhadoras, estão lutando pelos seu direitos para terem melhor diguinidade de trabalho profissional,estao presos e tratados como bandidos da pior expecie nem isto porque o bandido e tratado em nosso paiz a pão de ló, enquanto nos trabalhadores somos tratados deste jeito e uma vegonha para um paiz que esta prestes a sediar uma copa do mundo, até quando vamos agunta estas arbitrariedade destes governos que acham que podem fazer tudo e ficam mandado estes corones executar ordens absurdas contra os seus sbordnados como os seus sb-alternos fossem bandidos estes das estrelas que se submetem a executar estas ordens e defendendo uma gratificação bem gorda bote um camarada de estrela para receber um salario de praça para ver se ele nao vai fazer movimentos reivindicatorios,voces policiais militares ajudem os seus companheiros adiram ao movimentoeste governo nao e o dono do mundo a epoca dos coroneis ja passou boa sorte a todos os bombeiros do rj.

    ResponderExcluir