CABO PRESO POR NÃO PRESTAR CONTINÊNCIA A UMA TENENTE

O cabo de Bombeiros, Júlio Cesar Lopes da Silva, foi preso na manhã dessa útima sexta-feira (20), por não prestar continência à tenente Poliana Queila Simone.

Segundo o próprio cabo Júlio Cesar, por volta das sete horas, quando estava comendo, a tenente entrou no refeitório exigindo que Silva prestasse continência assim como seus colegas. "Porém, em vez disso, eu fiquei calado. Não prestei continência porque estava comendo”, declarou Júlio Cesar.Ele explicou que no regulamento dos Bombeiros consta que o “praça“ não tem obrigação nenhuma de bater continência enquanto está fazendo uma refeição.

Ele ainda conta que se sentiu humilhado pela tenente pelo tom de voz que ela usava e os gestos de exigência que fazia para ele. “Ela fazia gestos com a mão para eu me levantar, me tratando como um cachorro, me humilhando na frente dos meus colegas. Isso vem acontecendo há muito tempo, e meus colegas com medo de represares não se manifestam”, e então as pessoas abaixam a cabeça, e é aí que somos humilhados. Estou disposto a passar por isso para vê se um dia vai ter fim”, diz Júlio Cesar indignado.

No momento, o cabo Julio Cesar encontra-se preso no 1º Batalhão.

Fonte: Olhar Direto

8 comentários:

  1. Isso é uma tremenda de uma palhaçada, esse povo pensa que tem um rei na barriga. Se acham seres humanos melhores que os outros, não apenas superiores hierárquicos.

    ResponderExcluir
  2. tomara que levem esse assedio chegue a justiça, que silva mova uma ação contra a tenente, isso tem que acabar, respeito se conquista, nao se impoe.

    ResponderExcluir
  3. vi exemplos de um oficial do bombeiro que só tratava os praças desta forma, só que um belo dia ele descobriu que tinha problemas de saúde grave, quando caiu doente precisou de doador de sangue, sabe quantos foram doar sangue para o mesmo nem mesmo os oficiais, terminou morrendo sem que ninguém o acolhesse.

    ResponderExcluir
  4. Caro Real Soledade Fuutebol Clube, e eu se de quem você está tratando, e do ex-capitão PEREIRA COSTA, que diga-se de passagem "NA VALIA O QUE O GATO ENTERRA", por isso e que ele tá a onde meerece "MORTO". Quanto a essa atitude dessa tenente, em primeiro lugar mova umaa ação contra ela por acédio moral e em segundo lugar a guarde o tempo, poiis ela terá a sua recompensa, e sabe-se lá qual.

    ResponderExcluir
  5. Segundo o regulamento de continência, o RCONT, não se presta continência ao superior quando o mesmo entra no refeitório, basta ficar em silêncio e esperar que o superior dê ordem de a vontade... Recomendo ao CB, que represnte contra a tenente.

    ResponderExcluir
  6. Amigo CB, leia o regulamento de continência em seu Artigo 12 que diz: Nos ranchos de praças, ao neles entrar o comandante, diretor ou chefe da OM ou outra autoridade superior, a praça de serviço, o militar mais antigo presente ou o que primeiro avistar aquela autoridade comanda: "rancho, atenção! e anuncia a função de quem chega; as praças, sem se levantarem e sem interromperem a refeição, suspendem toda a conversação, até que seja dado o comando de à vontade" entre com uma representação alegando descumprimento do regulamento por parte da tenente e peça uma indenização alegando assédio moral. isso tem que acabar!!!!

    ResponderExcluir
  7. Meu Deus!!! tanto bandido solto por aí e se prende por causa de uma continência!???!!! como diz a música que país é esse???

    ResponderExcluir