SARGENTO ALVES: 'ELE TINHA UM OLHAR TRANSTORNADO'

Sargento Alves
Em depoimento na 16ª DP, PM que parou atirador diz que só quer abraçar sua família: 'Foi o dia mais difícil da minha carreira'

O sargento Márcio Alexandre Alves, responsável por impedir que Wellington Menezes de Oliveira, 24 anos, continuasse o massacre na Escola Municipal Tasso da Silveira, em Realengo, Zona Oeste do Rio de Janeiro, prestou depoimento na noite desta quinta-feira na divisão de homicídios da 16ª DP, na Barra da Tijuca. Ele repetiu o que dissera na entrevista coletiva concedida mais cedo e afirmou que, agora, só pensa em reencontrar a sua família e descansar.

Alves depôs ao lado dos cabos Ednei Feliciano da Silva e Denílson Francisco de Paula. Contou que participava de uma operação para combater veículos piratas na região, com o Departamento de Transportes Rodoviários (Detro), e estava a duas quadras da escola quando um dos alunos, baleado, chegou gritando por socorro. “Imediatamente fomos até ele e corri para o interior da escola. Ouvi disparos no segundo andar e quando cheguei vi o Wellington tentando ir para o terceiro. Ele tinha um olhar transtornado e focado em mim. Atirei na direção do abdômen, mas não sei se acertei o abdômen ou a perna. Ele caiu e eu gritei três vezes: ‘Larga essa arma’. Ele não me obedeceu e em seguida atirou na própria cabeça. É a cena mais triste e chocante nesses 18 anos de corporação”, relatou Alves.

O sargento contou que, após a morte do atirador, foi abordado por uma das alunas. Ele repetiu que não se considera um herói e que apenas cumpriu o seu dever de policial. “Teve uma menina que subiu em uma cadeira e me pediu para me dar um beijo. Não me considero um herói, cumpri o meu dever. Já falei com o meu filho e a minha esposa, o meu filho me ligou chorando, mas já disse que mais tarde darei um beijo bem forte nele. Só penso agora em ir para casa, abraçar a minha família, tomar um banho e tentar descansar. Foi o dia mais difícil da minha carreira”.

O sargento ainda descreveu a roupa do atirador, bem como as armas que viu. “O Wellington estava de blusa social de manga comprida, calça social, luvas sem cobertura nos dedos e um cinto com munições. Estava com duas armas calibre 38 e vários carregadores. Não tinha barba”, concluiu.

Fonte: IG

2 comentários:

  1. O senhor foi realmente um herói. Parabéns pela ação bem sucedida, a maioria dos policiais militares sabem cumprir seu dever e apesar das inúmeras críticas que tentam denigrir a imagem dos policiais, eles enfrentam o perigo arriscando suas vidas para salvar pessoas. Espero que a sociedade entenda o valor que a políca tem. Que Deus conforte as famílias desses adolescentes.

    ResponderExcluir
  2. TEM QUE SER HERÓI MESMO,COM ESSE SALARIO MISERAVEL QUE RECEBEMOS, SOMOS ALÉM DE HEROI SOMOS TAMBEM MÁGICO PRA MANTER NOSSA FAMILIA COM ESSA ESMOLA QUE RECEBEMOS.

    ResponderExcluir