PEC 300 EM MANAUS/AM

Mobilização em favor da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 300/446 reúne, hoje à tarde, em Manaus, representantes das polícias Militar e Civil e Corpo de Bombeiros de pelo menos 23 estados. As associações de classes que organizam o evento esperam reunir, às 16h, 4 mil pessoas no “Show da PEC”, na Praça do Congresso, no Centro.

O movimento faz parte da luta da categoria para a aprovação da PEC em segundo turno, na Câmara dos Deputados. Na primeira votação, a proposta foi aprovada com 397 votos. A PEC cria um piso salarial nacional de R$ 3,5 mil para policiais militares e bombeiros. Até agora, a iniciativa não tem a aprovação do Governo Federal, que alega não ter caixa.

Desde ontem, caravanas formadas por policiais e bombeiros de Roraima, Rondônia e Acre chegam a Manaus para participar do evento, que conta também com a presença de representantes dos estados da região Nordeste, Sudeste e Sul. “São praticamente dois representantes de cada Estado do Brasil, e uma massa maior dos estados da região Norte”, disse o soldado Marco Prisco, presidente da Associação dos Policiais Militares e Bombeiros do Estado da Bahia (Aspra-BA).

De acordo com Prisco, para chamar a atenção do Governo Federal sobre a importância da aprovação da PEC, as associações e sindicatos de todo o Brasil vêm realizando uma série de visitas e promovendo eventos em todas as cidades escolhidas como sede para a Copa de 2014. Hoje é a vez de Manaus. “A gente já teve em São Paulo, Rio de Janeiro, Bahia, Fortaleza, e agora estamos em Manaus. Depois vamos para Brasília”, explicou o PM. Eles estão alojados na Associação de Cabos e Soldados da Polícia Militar e Corpo de Bombeiros do Amazonas, na Zona Norte.

Anfitrião

A convocação para o movimento em Manaus foi realizada pelo deputado estadual cabo Alcimar Maciel, que também é presidente da Associação do Amazonas. “O movimento será pacífico. Mas servirá para mostrar nossa insatisfação com o Governo Federal. É um direito nosso lutar. Não vamos deixar o projeto ser arquivado”, disse o parlamentar.

Também hoje, às 10h, na Assembleia Legislativa do Estado do Amazonas (ALE/AM), Zona Centro-Sul, o deputado cabo Maciel presidirá uma audiência pública sobre o assunto. Segundo o parlamentar, deputados federais e senadores participarão do debate. “A segurança pública não passa por um bom momento no País, e o melhor investimento em segurança é investir no homem”, defende.

Fonte: A Critica

Um comentário:

  1. Lembrança de morrer


    Quando em meu peito rebentar-se a fibra
    Que o espírito enlaça à dor vivente,
    Não derramem por mim nem uma lágrima
    Em pálpebra demente.

    E nem desfolhem na matéria impura
    A flor do vale que adormece ao vento:
    Não quero que uma nota de alegria
    Se cale por meu triste passamento.

    Eu deixo a vida como deixa o tédio
    Do deserto, o poento caminheiro
    — Como as horas de um longo pesadelo
    Que se desfaz ao dobre de um sineiro;

    Como o desterro de minh'alma errante,
    Onde fogo insensato a consumia:
    Só levo uma saudade — é desses tempos
    Que amorosa ilusão embelecia.

    Só levo uma saudade — é dessas sombras
    Que eu sentia velar nas noites minhas...
    De ti, ó minha mãe, pobre coitada
    Que por minha tristeza te definhas!

    De meu pai... de meus únicos amigos,
    Poucos — bem poucos — e que não zombavam
    Quando, em noite de febre endoudecido,
    Minhas pálidas crenças duvidavam.

    Se uma lágrima as pálpebras me inunda,
    Se um suspiro nos seios treme ainda
    É pela virgem que sonhei... que nunca
    Aos lábios me encostou a face linda!

    Só tu à mocidade sonhadora
    Do pálido poeta deste flores...
    Se viveu, foi por ti! e de esperança
    De na vida gozar de teus amores.

    Beijarei a verdade santa e nua,
    Verei cristalizar-se o sonho amigo....
    Ó minha virgem dos errantes sonhos,
    Filha do céu, eu vou amar contigo!

    Descansem o meu leito solitário
    Na floresta dos homens esquecida,
    À sombra de uma cruz, e escrevam nelas
    — Foi poeta — sonhou — e amou na vida.—(foi PM-sonhou com a PEC E ...)

    Sombras do vale, noites da montanha
    Que minh'alma cantou e amava tanto,
    Protegei o meu corpo abandonado,
    E no silêncio derramai-lhe canto!

    Mas quando preludia ave d'aurora
    E quando à meia-noite o céu repousa,
    Arvoredos do bosque, abri os ramos...
    Deixai a lua prantear-me a lousa!

    Álvares de Azevedo
    (1831-1852)

    ResponderExcluir