SEGUNDA VERSÃO DA OCORRÊNCIA ENVOLVENDO SD PAZ

Depois de ter publicado o caso onde o soldado Paz teria ficado preso, recebi ligações da outra parte e do tenente Firmino indignados com a repercussão.

Irei postar a seguir o relato da segunda parte envolvida na ocorrência:

Caro Heronides,

Venho através deste, relatar nossa versão dos fatos. Versão porque os fatos serão ainda apurados. o senhor ao postar algo deste tipo em seu blog, deveria ter se inteirado melhor dos fatos. Ter entrado em contato com o tenente que dirigiu a ocorrência ou agentes, e até mesmo o próprio delegado que esta a frente do caso, pois eu e meu companheiro estamos muito ofendidos pelas declarações que estão sendo vinculada num meio de comunicação como a internet. fazendo com que a corporação, e ate mesmo pessoas comuns sintam se revoltadas com os envolvidos, no caso eu, e meu namorado. peço-lhes cordialmente, que da mesma forma que o senhor postou em seu blog a versão do PM PAZ, que de paz é só no nome, venha também como direito de defesa, postar nossa versão. Que depois das acareações passaram não mais a ser versão e sim
FATOS. e contra fatos não há o que se contestar... este cidadão que a doutora Kátia e a coronel Margarida defendem com tanta veemência, é quem deveria ser o exemplo de educação e autocontrole, no entanto é o mesmo desrespeita agride e tenta matar pessoas de bem. é este tipo de policial que denigre a imagem da policia perante a sociedade. entendemos que um cidadão como o PM PAZ, não deveria estar vestindo a farda da polícia, pois o mesmo é um ser agressivo, desequilibrado, e totalmente despreparado. Sem a menor condição de defender a população. os fatos ocorreram da seguinte maneira. Estávamos voltando para casa subindo a rua ypê amarelo, próximo ao terminal de ônibus de cidade verde. Quando nos deparamos com um veículo de marca Peugeot preta, atravessado no meio da rua. Meu namorado parou o carro e buzinou, sinalizando que queríamos passar. Foi quando ele baixou o vidro de seu carro e mandou que passássemos por cima. E entre o espaço a frente do carro do PM e a calçada da casa a qual ele estava parado, tentamos passar p seguir para nossa casa. Neste momento o PM colocou seu carro para cima do nosso. Meu namorado deu ré, e ficou esperando que ele tirasse o carro pra gente passar. Porém não foi o que aconteceu. O PM já desceu do carro sem camisa, e esbravejando palavrões. A moça que o acompanhava no interior do veículo, também desceu para tentar conte-lo. Pedia calma e ha todo momento tentou segura-lo, sem êxito. e nós, continuamos dentro do nosso carro. Meu namorado que ainda estava dentro do carro, repetia pra ele a todo o momento que era seu vizinho e que não queria confusão, e sim apenas passar. foi quando ele foi se aproximando do nosso carro e desferiu um tapa no rosto do meu namorado, que imediatamente desceu do carro e entraram em luta corporal, depois de tudo isso ter si passado foi que si abriu o portão e que apareceram os pais do PM. em dado momento o PM levou um soco no rosto e caiu no chão. O momento em que seus pais apareceram. Foi quando meu namorado afastou se dele, e ele se levantou pegou uma pedra e jogou em meu namorado, que também não conseguiu acertar. Neste momento o pai dele veio com agressões verbais p meu namorado, que já havia tomado uma distancia de aproximadamente cinco metros do PM. e no momento que ele se levantou sua mãe o segurava, no mesmo momento em que ele jogava a pedra. E foi neste momento que ele correu para o interior de sua casa, livrando se da mãe que o segurava. E nesta hora ele ao soltar se dela, a empurrou para ir para dentro de casa que ela caiu de quatro no chão. E quando ele correu meu namorado gritou pra eu sair logo da li com o carro. Mesmo assim eu ia ficar pra esclarecer para os pais dele como tinha começado toda aquela situação. Foi quando a mãe dele ainda se levantava gritou dizendo ele vai se armar. Nesta hora meu namorado já havia se retirado do local e ido se abrigar na casa os tios, que moram a poucos metros dali. E entrei no carro, dei partida e ao sair olhei para o retrovisor e vi quando ele já estava de pé com as duas mãos segurando a arma. E disparou contra meu carro. Três vezes. Eu baixei minha cabeça para o lado da marcha do carro, e segui em velocidade, e entrei na primeira rua á esquerda. Quando entrei na rua me deparei com o vigia que fazia ronda naquele horário. E falei pra ele que tinha um homem atirando ali. Não parei. Continuei ate o posto policial do bairro. Cheguei lá desesperada, quase que não conseguia relatar o acontecido. Não havia nenhuma viatura naquele momento. Liguei no 32327680, na DP de plantão, uma mulher me atendeu, pedi socorro e ela me informou que não era com a civil e sim com a PM, e que também estavam sem nenhuma viatura no local. Relatei mais ou menos o que tinha se passado para o policial que me atendeu, e ele começou a fazer ligações pedindo alguma viatura no local. Foi quando meu namorado ligou em seu celular que havia ficado dentro do carro. E veio ao meu encontro, no posto policial juntamente com seu tio e primo que deram abrigo pra ele. Foi quando trouxeram a noticia que se tratava de um policial. pois o primo do meu namorado o conhecia. Passamos a informação para o policial. Que o cara envolvido era da policia... Com pouco tempo chegou duas viaturas da policia. Coordenadas pelo Tenente Firmino. Que com muita calma e tranquilidade ouviu o nosso relato. e lá também ainda parados em frente ao posto policial ficou sabendo que se tratava de uma ocorrência com um policial. o Tenente nos convidou a ir mostrar onde era a casa do PM. Fomos todos ao local do acontecido. quando chegamos a casa dele, ela já havia guardado o carro e encontrava se dentro de casa. O Tenente foi até o portão, e o pai do PM o atendeu, em seguida entraram no interior da residência. E nós ficamos com os demais policiais. Os mesmos que encontraram a capsulas das balas. Um dos policiais entrou e entregou ao Tenente a mesmas. Passado algum tempo, o Tenente trouxe o soldado paz, e a pistola dentro de uma sacola junto com a munição. Fomos todos conduzidos para a delegacia para prestar queixa. Fizemos o boletim de ocorrência. Nós e o soldado paz.

Em momento algum, meu companheiro agrediu a mãe do soldado. E se ela estiver com qualquer tipo de machucado, foi causado pelo próprio filho que a derrubou no chão. E estes machucados se realmente existem, devem ser nos joelhos e mãos, pois ela caiu de quatro no chão cheio de pedras. Não a credito que uma senhora naquela idade tenha a capacidade de inventar uma coisa que não existiu. Jamais meu namorado agrediria uma senhora, ou qualquer um que seja. Pois é uma pessoa tranquila e educada e não tem o hábito de sair por ai arrumando confusão no meio da rua. Ao contrario do que faz o soldado PAZ. ouvimos relatos dos próprios colega de trabalho, que o mesmo já se envolveu, em várias outras confusões. Aconselho ao senhor que é da mesma corporação, procurar saber, como é o comportamento social do soldado “PAZ”.

EXPRESSO AQUI COMO CIDADÃ COMUM E DE BEM A MINHA REVOLTA. POIS EU VINHA EM PAZ PARA MINHA RESIDENCIA E INFELISMENTE TIVE O DESPRAZER DE ME DEPARAR COM UMA CRIATURA GROSSEIRA MAL EDUCADA E DESEQUILIBRADA COMO ELE QUE POR FRAÇÃO DE SEGUNDOS NÃO TIROU A MINHA VIDA... HOJE A NOSSA ROTINA DE VIDA MUDOU TOTALMENTE. O CORPORATIVISMO DA POLICIA É GRANDE. E O NOSSO MEDO TAMBÉM. POIS DA MANEIRA COMO ESTA SENDO DIVULGADA EM SEU BLOG, PRA QUE QUALQUER PESSOA VEJA E PRINCIPALMENTE OS POLICIAIS QUE É O PUBLICO ALVO. TEMOS TESTEMUNHAS. E VAMOS ATE O FIM PRA DEFENDER E PRESERVAR O QUE RESTA DA NOSSA INEGRIDADE. SE O FATO OCORREU COMO ELE RELATOU, PORQUE QUE ELE, EM NENHUM MOMENTO RELATOU NADA A RESPEITO DA MÃE? PORQUE QUE ELE NEGOU AO TENETE QUE NÃO POSSUIA ARMA? E SÓ DEPOIS QUE SOLDADO LEVOU AS CAPSULAS ELE CONFESSOU TER ARMA E TER ATIRADO? PORQUE NÃO EXPRESSOU REVOLTA PELA AGREÇÃO QUE DIZ QUE A MÃE SOFREU? PORQUE NÃO AVISOU AO DELEGADO QUE A MÃE HAVIA SIDO AGREDIDA? E PORQUE, NÃO LEVOU ELA PARA FAZER EXAMES. E SÓ DEPOIS DE TER TIDO CONTATO COM SEU ADVOGADO ELE APARECEU COM A HISTORIA DA DEFESA DA MÃE? E COMO É QUE ELE DISPAROU PARA CIMA PARA MEU NAMORADO SOLTAR A MÃE DELE, SE NO MOMENTO DOS TIROS MEU NAMORADO JA SE ENCONTRAVA NO INTERIOR DA CASA DOS TIOS? QUE TAMBEM OUVIRAM OS TIROS EM QUANTO ESTAVAM TODOS DENTO DE CASA? E NÃO QUANDO ESTAVA AGREDINDO A MÃE DELE COMO ELE RELATOU. GRAÇAS A DEUS O PIOR NÃO ACONTECEU. POIS EU POSSO LHE AFIRMAR QUE SI EU OU MEU NAMORADO, ESTIVESSIMOS AINDA NO LOCAL, QUANDO ELE VOLTOU COM A ARMA, COM CERTEZA ELE TINHA NOS MATADO. E OQUE SALVOU A MINHA VIDA, FORAM AS PALAVRAS DA MÃE DELE, QUANDO GRITOU QUE ELE IRIA SE ARMAR... ESPERO QUE TENHAS CONSEGUIDO ENTERDER... ACHO QUE ESTE RAPAZ ESTA BEM ENCRENCADO. MAIS NADA SE COMPARA COM O MEDO E A INSEGURANÇA QUE EU E MINHA FAMILIA VIVE HOJE. TENDO QUE MUDAR TODA A NOSSA ROTINA. POIS SOMOS QUASE VIZINHOS, HOJE NÀO FAÇO O MESMO TRAJENTO QUE FAZIA ANTES, MEUS FILHOS ESTÃO COM MEDO DE BRICAR NA RUA. PENSO EM MUDAR DE RESIDENCIA. NÃO ME SINTO MAIS SEGURA NA CASA EM QUE MORO. DESDE SEGUNDA FEIRA NÃO CONSIGO DORMIR NEM TRABALHAR DIREITO PENSANDO NO QUE ACONTECEU... TUDO ISSO POR CAUSA DE UM INCONSEQUENTE... E DETALHE, ELE ESTA VISIVELMENTE ALCOLIZADO, ISTO EM PLENA TARDE DE SEGUNDA FEIRA... EM FIM, É UM ABSURDO, ALEM DE TIRAR NOSSO DIREITO DE IR E VIR, O CIDADÃO AGRIDE VERBALMENTE, BATE NA CARA DE UMA PESSOA DESCENTE TENTA ME MATAR E AINDA QUER SAIR DE VÍTIMA? DE BONZINHO DE COITADINHO? TENHA SANTA PACIÊCIA. NÃO TENHO MEDO DE QUE A VERDADE NÃO VENHA A SER ECLARECIDA, TUDO VAI SER APURADO E ESCLARECIDO... MAIS TEMO PELA MINHA VIDA E A DO MEU COMPANHEIRO. DESDE JÁ, AGRADEÇO PELA ATENÇÃO. E VOU AGUARDAR A POSTAGEM DO QUE RELATEI PRA VOCÊ. SEM MEDO ALGUM, POIS OQUE FALEI AQUI É A VERDADE E NADA MAIS QUE A VERDADE. TENHA UM BOM INÍCIO DE SEMANA E

OBRIGADO!

Débora Alves