OS TRÊS DELEGADOS QUE DEIXARAM POLICIAL NUA SÃO AFASTADOS

O secretário da Segurança Pública de São Paulo, Antonio Ferreira Pinto, determinou na noite desta segunda-feira (21) o afastamento de dois delegados lotados na Corregedoria da Polícia Civil. Eles aparecem em um vídeo em que uma ex-escrivã é obrigada a ficar nua para ser revistada.

A cena foi gravada em 15 de junho de 2009, em uma sala do 25º DP, em Parelheiros, na Zona Sul de São Paulo, mas caiu na internet e ganhou notoriedade.

Um terceiro delegado que também esteve envolvido na ação da Corregedoria já não integra mais os quadros do departamento, de acordo com a nota.

O vídeo exibe os corregedores tirando à força a calça e a calcinha de uma escrivã suspeita de corrupção. Ela respondeu a processo administrativo e foi exonerada da Polícia Civil. O inquérito criminal ainda corre na Justiça.

O secretário determinou a instauração de processo administrativo disciplinar para apurar "a responsabilidade funcional" de cada um dos corregedores, bem como do delegado titular da Divisão de Operações Policiais da Corregedoria à época, que, segundo a nota, "concorreu para o desfecho daquela intervenção policial".

O secretário também determinou a expedição de ofício ao procurador de Justiça "manifestando perplexidade com o requerimento de arquivamento do inquérito policial instaurado por abuso de autoridade pelo representante do Ministério Público".

Entrevista

Ex-escrivã se diz traumatizada até hoje

Em entrevista ao G1 nesta segunda, a ex-escrivã de 29 anos disse que se sente humilhada em dobro agora que o vídeo com a cena dentro da delegacia foi postado na internet. “É uma dupla humilhação, no dia e agora”, lamentou. Ela não quis ter o nome divulgado.

“Eles (da Corregedoria) entraram gritando, apontando armas. Naquele momento, eu não conseguia entender o que eles gritavam”, contou a ex-escrivã. Toda a sequência durou de 40 a 50 minutos. Ela disse não ter percebido quando a ação dos corregedores começou a ser filmada.

Segundo a ex-escrivã, em momento algum ela se recusou a ser revistada. Ela insistia apenas para que a revista fosse feita por uma mulher, como determina a lei. “Chamaram uma policial feminina e uma GCM (guarda-civil metropolitana) feminina, mas não deixaram que fizessem a revista”, disse.

“Na hora, senti desespero, acuada por aqueles homens, em uma situação humilhante. Na hora que tiraram a minha roupa, eu pedi pelo amor de Deus".

Fonte: G1

4 comentários:

  1. Ao meu entender este delegado era pra ser exonerado também. Isso o que aconteceu é um absurdo pois a escrivã em momento algum se negou em ser revistada pois a mesma queria apenas presença de policiais femininas. Outro delegado(chefe dela) explicou 1.000 vezes q ele nao podia fazer aquilo e mesmo assim o delegado insistiu e o outro delegado que não concordou s eretirou da sala pra não ver o absurdo e o abuso de poder. NÃO IMPORTA SE ELA ERA CULPADA OU INOCENTE, SEI QUE NINGUÉM GOSTARIA DE VER UMA MÃE, IRMÃ OU ESPOSA NAQUELA SITUAÇÃO!

    ResponderExcluir
  2. ACREDITO NA JUSTIÇA BRASILEIRA,POIS O QUE ACONTECEU FOI ABUSO DE PODER,ESSES DELEGADOS DEVERIÃO SER EXCLUIDOS.KD OS DIREITOS HUMANOS,À AGENTE, CULPADA OU NÃO, APENAS QUERIA SER REVISTADA POR UMA POLICIAL FEMININA.ACHO QUE ESSE TARADO QUERIA ERA VÊ-LA NUA.

    ResponderExcluir
  3. Uma lição, isso não é um caso isolado ou exagero do momento e sim uma situação comum para os detentores do poder que se acham inascessiveis ou acima da lei que só estão em evidência por ter sido o video postado na internet e não pelo ato de covardia praticado contra uma mulher vejamos quantos casos ou quantas prisões esses homens destemidos e ousados já fizeram em sua carreira policial no confronto com a realidade talvez hoje eles estejam chorando pois não terão mais o respeito da filha, da esposa e talvez a piedade da mãe, que DEUS possa chegar na alma de cada um deles e que ao menos reconheçam nunca foram POLICIAIS de verdade...

    ResponderExcluir
  4. Pobres agentes e delegados, não aguentavam mais esta ladra convivendo em seu meio, com isso acabaram errando por excesso. Pior seria se esta mesma situação fosse em um pais de vergonha onde as leis são mais severas, com certeza a escrivã BANDIDA ja estaria morta meus irmãos. "Faca na caveira"...

    ResponderExcluir